Convergência Digital - Home

Chips com Inteligência Artificial são aposta da Huawei para negócios na nuvem

Convergência Digital
Por Luis Osvaldo Grossmann, de Xangai, China - 10/10/2018

A fabricante chinesa Huawei anunciou nesta quarta, 10/10, em seu evento global Huawei Conect 2018, voltado para analistas e parceiros tecnológicos, que acontece em Xangai, na China, o lançamento de dois novos chips especialmente voltados para o mercado de computação em nuvem. No evento, a Huawei também reforçou que já é a segunda maior fabricante de celulares do planeta.

O principal mote é a incorporação de inteligência artificial nesses novos chips (Ascend 910 e 310), a exemplo dos processadores que já tinha anunciado para smartphones, o primeiro ainda em 2017 (Kirin 970), o segundo em agosto deste 2018 (Kirin 980). E assim como mirou em concorrentes como Qualcomm e Intel, a empresa aposta que maior desempenho e menor consumo de energia ajudarão a morder fatias maiores do mercado de nuvem.

“Se quisermos liderar, temos que adotar uma mentalidade de Inteligência Artificial e usar seus conceitos e tecnologias. Não fiz a conta específica para o potencial ganho com IA, mas ela melhora todas as soluções e produtos. Por exemplo, este ano devemos vender 200 milhões de smartphones”, , afirmou o presidente da Huawei, Eric Xu.

Como insistiu ao responder a jornalistas durante o Huawei Connect 2018, o presidente da empresa defendeu a incorporação da inteligência artificial em toda a linha de produtos com um caminho natural para a gigante chinesa. “A IA traz novas oportunidades nos servidores, no mobile, etc, fortalecendo e fazendo todas as nossas soluções orientadas para futuro".

O executivo avisou que a Huawei não vai por os chips à disposição do mercado – ou seja, eles só serão acessíveis por meio dos produtos. “Os chips não serão vendidos a terceiros, mas parte de acordos para servidores de nuvem”, disse Xu, negando rumores de que haveria um acordo envolvendo a compra de chips pela Microsoft, mas indicando que há tratativas para módulos e servidores. Só que qualquer tipo de acordo deveráser anunciado em fevereiro de 2019.

*Luis Osvaldo Grossmann viajou a Xangai a convite da Huawei Brasil


Destaques
Destaques

Brasil fica nas últimas posições em ranking mundial de uso de Big Data e Analytics

Brasil fica na posição 60º em 63º no uso das novas tecnologias da economia digital do Ranking de Competitividade Mundial 2019, produzido pela escola suiça IMD, com parceria no País, com a Fundação Dom Cabral. Em competitividade, País segue nas últimas posições.

Startup catarinense usa big data para combater desperdício de água potável

Startup catarinense, AcquaLogic, desenvolveu solução para tratar os dados de empresas de saneamento para evitar o desperdício. Em 2016, o Brasil jogou no lixo 38% da água consumível, segundo dados do Instituto Trata Água. Startup, agora, quer unir big data à Internet das Coisas.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site