SEGURANÇA

Prefeituras e Ministério da Justiça avaliam plataforma chinesa que alia IA à segurança pública

Luís Osvaldo Grossmann, de Xangai, China ... 11/10/2018 ... Convergência Digital

Depois de um piloto em Campinas, iniciado em março, a secretaria nacional de segurança pública do Ministério da Justiça e as prefeitura de Porto Alegre e Belo Horizonte foram à China conhecer de perto a plataforma tecnológica que combina inteligência artificial em câmeras espalhadas pelas cidades como ferramenta de segurança pública.

“Os estados estão quebrados e os municípios estão indo na mesma direção. Então esse conceito de que a gente vai aumentar a força policial não é realista. A expectativa de que vamos contratar guardas municipais para suprir a deficiência não é o caminho do mundo e muito menos do Brasil. Então tem que colocar tecnologia e inteligência”, afirma o prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr.

Ele fez parte da comitiva convidada pela Huawei para conhecer a plataforma, já fornecida, em algum tipo de estágio, para 230 cidades em 90 países, com destaque para a própria China – em visita paralela ao Huawei Connect 2018, evento global da fabricante para analistas e parceiros tecnológicos, que acontece nesta semana, em Xangai.

A 100 km dali, os brasileiros viram de perto o centro de controle de 15 mil câmeras da cidade de Suzhou, que também tem acesso a outras tantas câmeras privadas. A promessa da Huawei é combinar a tradicional vigilância em vídeo com uma plataforma de inteligência artificial batizada de C-C4ISR, acrônimo em inglês para a solução Colaborativa de Comando e Controle, Comunicação, Cloud, Inteligência, Vigilância e Reconhecimento.

A solução faz a integração das diferentes câmeras municipais, usadas por órgãos distintos para controle de trânsito ou prevenção de acidentes naturais, por exemplo. Além disso, associa inteligência artificial ao cruzar diferentes bases de dados e, na versão mais avançada, também com capacidade de fazer reconhecimento facial.

“Esse projeto começou em 2011 e nos últimos sete anos a Huawei investiu mais de US$ 1 bilhão em soluções de segurança, envolvendo 4 mil pesquisadores. Neste ano vamos investir mais US$ 200 milhões. Desde o ano passado a área de ‘safe cities’ se tornou uma unidade de negócios e hoje somos o principal segmento da área de ‘governo’”, revela o cientista chefe de segurança pública da empresa, Hong-Eng Koh.

A Huawei evita falar em valores e sustenta que a solução é modulável, cabendo no orçamento de cidades médias com possibilidade de expansão. A plataforma é aberta, no sentido em que permite aplicações de terceiros – o que ao menos em tese permitiria uma integração, por exemplo, com o sistema desenvolvido pela empresa municipal de processamento de dados da capital gaúcha que usa as câmeras dos ‘pardais’ de controle de velocidade para identificar carros roubados.

* Luís Osvaldo Grossmann viajou a Xangai a convite da Huawei Brasil


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
No combate aos crimes, a fusão do ciber e do real

A integração Cibernética (virtual) e Física é essencial para vincular atividades criminais aos suspeitos reais no mundo físico (real). A Tecnologia é meio dessa união.

Guerra cibernética: Reino Unido acusa a Rússia de usar hackers para desestabilizar o mundo

Tendo como base trabalhos do Centro Nacional de Segurança Cibernética (NCSC), o Reino Unido acusa a Rússia e a sua inteligência militar de estarem por trás dos ataques BadRabbit e à Agência Mundial Antidoping de 2016.

Facebook vive pesadelo e admite violação que afetou 50 milhões de contas

2018 não está sendo nada fácil para a rede social. Nesta sexta-feira, o Facebook admitiu uma violação de segurança que afetou cerca de 50 milhões de contas de usuários. Hoje a rede social conta com mais de 2 bilhões de usuários ativos por mês.

Com uso de robôs, fraudes pelo celular crescem 24% no primeiro semestre

Foram pelo menos 361 milhões de ataques entre janeiro e junho, 150 milhões deles contra dispositivos móveis. Uso de bots cresceu 60%.

Governos pressionam por uso de backdoors para quebrar criptografia

Denúncia está em relatório preparado para o Conselho de Direitos Humanos da ONU. O levantamento sustenta que muitos governos negligenciam o dever de proteger a criptografia online e há pressão para que se abra às autoridades policiais acesso a mensagens criptografadas ou dispositivos protegidos.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G