Convergência Digital

Sem dinheiro, Telebras desiste de sociedade em cabo submarino

Luís Osvaldo Grossmann - 17/10/2018

Sem dinheiro para investir na construção do novo cabo submarino entre Brasil e Europa, a Telebras desistiu de participar como sócia do empreendimento. No lugar, a estatal vai firmar um acordo para garantia de compra de capacidade, a princípio no montante já aportado na criação da parceria, a ser revisto quando o cabo submarino estiver pronto.

“Na parceria da Telebras com a Eulalink, ela modificou a forma de participação. Deixou de ser um dos sócios do empreendimento e passou a ser um tomador de capacidade. O projeto continua e agora tem previsão de implantação no primeiro trimestre de 2019”, afirmou o secretário de Telecomunicações do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), André Borges, durante exposição no Futurecom 2018.

Pelo desenho inicial, a Telebras teria 35% do empreendimento, enquanto a espanhola Islalink, depois Eulalink, deteria 65%, mas com a expectativa de 20% seriam transferidos a um outro sócio brasileiro. Esse sócio, no entanto, jamais apareceu. Além disso, os cortes no Orçamento afetaram diretamente os aportes da estatal.

Como resultado, a Telebras está no processo de transferir para a Eulalink aquela participação de 35% no negócio. Nesse acordo, os aportes já feitos na constituição da joint venture Cabos Brasil Europa serão convertidos em compra de capacidade.

A expectativa de que a construção do cabo submarino comece em 2019 levam em conta que já foi escolhida a Alcatel Submarines Networks como a responsável pela obra, a um custo estimado de 25 milhões de euros (cerca de R$ 100 milhões) para os 10 mil km de extensão entre Fortaleza e Sines, em Portugal. Além disso, o novo sócio majoritário do empreendimento deverá, em breve, ser o fundo europeu Marguerite.


Internet das Coisas exige rediscussão sobre neutralidade no Marco Civil

Para o diretor de Produtos e Tecnologia da Ericsson, Paulo Bernardocki, as operadoras precisam começar o mais rápido possível para aprender a ter as coisas como clientes.

Sem conectividade, não há estratégia de computação em nuvem

CenturyLink é uma MVNO e mantém o interesse de atuar tão somente para as empresas corporativas, revela o diretor de Dados, Eduardo Freitas.


Futurecom 2018 - clique aqui e confira a cobertura completa.
Editora Convergência Digital
Copyright © 2005-2018 Editora Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site