Convergência Digital

Blockchain não vai matar os cartórios no Brasil

Roberta Prescott - 18/10/2018

Um dos temas mais debatidos quando o assunto é o poder do blockchain em substituir processos, entidades ou empresas é o fim dos cartórios. Em painel durante o Futurecom 2018, nesta quinta-feira, 18/10, Carl Amorim, representante no Brasil do Blockchain Research Institute, defendeu que os cartórios devem, sim, seguir existindo. De acordo com ele, o blockchain obriga a repensar os intermediários, mas decretar o fim dos cartórios é “bobagem”.

“Como vamos dar fé pública? Dar o reconhecimento?”, questionou o especialista. “Acho que a sociedade, hoje, não tem a mentalidade distribuída. Vamos precisar desenvolver alguns mecanismos para garantir que determinada pessoa é aquela pessoa, que mora no endereço que fala. O cartório seria a melhor opção para fazer a entrada dos documentos. Acabar com o cartório porque se tem raiva do processo cartorário é bobagem”, explicou.

Para Amorim, blockchain é uma revolução do modelo de negócios, na forma como as empresas se organizam. “Ele permite que se tenha fluxo de ativos. Quando entendermos o impacto disto, vamos ter de repensar [diversos modelo de negócios], como, por exemplo, emitir diploma sem universidade, como financiar e registrar imóvel.”


Internet das Coisas exige rediscussão sobre neutralidade no Marco Civil

Para o diretor de Produtos e Tecnologia da Ericsson, Paulo Bernardocki, as operadoras precisam começar o mais rápido possível para aprender a ter as coisas como clientes.

Sem conectividade, não há estratégia de computação em nuvem

CenturyLink é uma MVNO e mantém o interesse de atuar tão somente para as empresas corporativas, revela o diretor de Dados, Eduardo Freitas.


Futurecom 2018 - clique aqui e confira a cobertura completa.
Editora Convergência Digital
Copyright © 2005-2018 Editora Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site