Convergência Digital

Salvador vai usar plataforma de segurança pública da Huawei

Roberta Prescott e Rafael Mariano - 19/10/2018

A chegada do 5G representa novos desafios para as operadoras, notadamente quanto ao custo de investimentos a serem feitos desde já e também pelo potencial aumento dos gastos de operação. Por isso mesmo elas devem buscar soluções que enderecem esses problemas, como as que se valem de inteligência artificial para uma melhor gestão da rede.

“O 5G está chegando. O grande desafio para as operadoras é o custo. Todas precisam modernizar as redes para o 5G e enquanto isso considerar que o hardware precisa estar preparado para um upgrade quando a quinta geração for lançada”, pontuou o presidente da Unidade de Negócios de Redes para Prestadoras da Huawei, Sun Baocheng, em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital, durante o Futurecom 2018, realizado de 15 a 18 de outubro, em São Paulo.

Segundo avalia, a primeira consideração é com o Capex. “Antes, quando falávamos de Capex, era apenas equipamento. Do ponto de vista da Huawei, também é o custo do tráfego de dados. No 5G, a tecnologia melhorou muito e a frequência pode ter grandes ganhos de eficiência. Então o custo de tráfego de dados vai cair bastante.”

“Em Opex está o maior desafio, porque no 5G o consumo de energia é maior que no 4G. E a operação é muito mais complexa. Nós desenvolvemos equipamentos menores, que podem reduzir custos. E também inteligência artificial para melhorar a operação, que também tem reflexo no custo.”

O executivo revelou, ainda, que a Huawei já começou a implantar sua plataforma voltada à segurança pública em Salvador, na Bahia. “A segurança das cidades, no Brasil, é algo muito importante. A Huawei já tem um projeto no estado da Bahia, começando pela capital. E nesse tema as operadoras são muito importantes, porque podem integrar as soluções e fornecer ao governo. Nossa solução é capaz de integrar todo o legado de câmeras já instaladas. E integrar com reconhecimento facial e com a identificação de placas de veículos.” Assistam à entrevista com o presidente da Unidade de Negócios de Redes para Prestadoras da Huawei, Sun Baocheng.


Internet das Coisas exige rediscussão sobre neutralidade no Marco Civil

Para o diretor de Produtos e Tecnologia da Ericsson, Paulo Bernardocki, as operadoras precisam começar o mais rápido possível para aprender a ter as coisas como clientes.

Sem conectividade, não há estratégia de computação em nuvem

CenturyLink é uma MVNO e mantém o interesse de atuar tão somente para as empresas corporativas, revela o diretor de Dados, Eduardo Freitas.


Futurecom 2018 - clique aqui e confira a cobertura completa.
Editora Convergência Digital
Copyright © 2005-2018 Editora Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site