Convergência Digital - Home

Red Hat insiste que nada vai mudar no Open Source com a compra pela IBM

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 29/10/2018

Nada muda no desenvolvimento Open Source da Red Hat por conta da aquisição da empresa pela IBM. Foi o que reafirmou repetidas vezes durante entrevista nesta segunda-feira, 29/10, o vice presidente executivo e presidente de produtos e tecnologias da Red Hat, Paul Cormier. “Não haverá absolutamente nenhuma mudança. Essa é a própria razão desse acordo de US$ 34 bilhões”, insistiu.

Tanto ele como o vice presidente de nuvem híbrida da IBM, Arvind Krishna, que responderam a perguntas da imprensa em webcast, fizeram coro para sustentar que o desenvolvimento aberto da plataforma, seguindo a mesma lógica do Linux, é grande parte do valor do próprio negócio, anunciado no domingo e que beira os US$ 34 bilhões – coisa próxima de R$ 125 bilhões.

“[O negócio] não vai afetar o Open Source. A Red Hat vai permanecer como uma unidade separada. É uma marca estabelecida e assim vai continuar, sem que haja qualquer questão de tempo para isso. Não temos interesse em interferir nos roadmaps de desenvolvimento da Red Hat, nem há valor para nós em mudar isso”, afirmou Krishna.

Da mesma forma, a separação como uma unidade específica da IBM visa preservar os acordos que a Red Hat possui com outros provedores de nuvem, inclusive com a própria AWS – alvo explícito da busca da ‘Big Blue’ por maior espaço no mercado global de computação em nuvem. Isso vale para o Enterprise Linux, OpenShift e a plataforma OpenStack. Tudo segue como antes. Assim como as parcerias da IBM com outras distribuições Linux.

Os executivos também afirmaram que não haverá mudanças de pessoal ou mesmo de estrutura física. “Essa não é uma compra de propriedade intelectual ou de tecnologia, mas de pessoas. Acho que isso é um testemunho para esse nível de investimento do quão importante é manter a cultura que deu a Red Hat o valor que ela tem hoje”, completou Paul Cormier.


ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Destaques
Destaques

Empresas ambicionam mais Inteligência Artificial, mas sofrem com falta de talento

Um apesquisa global da Bain mostra que três em cada empresas, instigadas pela covid-19 e a aceleração da digitalização, se preparam para investir mais em inteligência artificial e machine learning. Mas assumem que as dificuldades não são poucas.

Eneva investe R$ 3 milhões para unir gás à energia com a IA ALINE

Software, que utiliza algoritmos de machine learning, foi desenvolvido em parceria com o Instituto Tecgraf da PUC/Rio e está sendo testado no Maranhão. Próxima etapa é um projeto de pesquisa com foco na integração da produção do gás onshore com a geração de energia, o que significa usar IA em um projeto 100% conectado.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O que é o balanceamento de carga de alta disponibilidade?

Por Ivan Marzariolli *

A alta disponibilidade começa com a identificação e eliminação de pontos únicos de falha em sua infraestrutura que podem desencadear uma interrupção do serviço - por exemplo, implantando componentes redundantes para fornecer tolerância a falhas no caso de um dos dispositivos estiver com problemas.

Dados em tempo real fazem toda a diferença no e-commerce

Por Leandro Rodriguez*

O tempo se tornou o fator crítico no relacionamento entre vendedor e comprador. Levar informações em tempo real a uma filial local ou a gerentes de loja pode ser determinante para a aquisição de clientes e, consequentemente, aumentar as vendas.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site