Home - Convergência Digital

Brasil despenca 12 posições em ranking mundial de proficiência em inglês

Convergência Digital - Carreira
Da redação - 30/10/2018

O Brasil caiu do 41º para 53º lugar no ranking mundial do nível de conhecimento de inglês, mantendo-se no nível de baixa proficiência no idioma, de acordo com o levantamento da EF Education First, que avaliou 1,3 milhões de pessoas de 88 países. Pela quarta vez nesses oito anos de EF EPI, a Suécia ficou no topo do ranking, deixando a Holanda em segundo, seguida por Singapura, todas classificadas com proficiência muito alta. A Líbia obteve o pior resultado entre os países classificados com proficiência muito baixa.

“Nossa pesquisa mostra que países e indivíduos continuam a investir no ensino e aprendizado de inglês, reconhecendo a importância da linguagem como uma alavanca para a competitividade”, disse o Dr. Minh N. Tran, diretor sênior de pesquisa da EF. “Desde que a EF começou a publicar o EPI, este  ranking tornou-se o ponto de referência de fato para governos, empresas e educadores quando eles discutem habilidades em inglês”.

O vice-presidente de Relações Acadêmicas da EF na América Latina, Luciano Timm, destaca que a baixa proficiência em inglês no país é um entrave para o desenvolvimento e para a inovação, e assim um ponto estratégico para o novo governo que assumirá em janeiro de 2019. “O resultado é bastante preocupante. É o pior cenário desde 2012 e, agora, está mais claro que nunca que há boas práticas globais que são constantes do estudo e que podem ajudar muito o pais”.

A América Latina é a única região a mostrar um leve declínio geral na proficiência em inglês. As pontuações na região permanecem mais uniformes do que em qualquer outro lugar, com apenas uma pequena diferença entre os países com menor e maior proficiência. A Europa continua a ser o líder global na proficiência em inglês. Oito dos dez primeiros lugares do ranking são ocupados por países europeus.

A África mostra ganhos mais fortes em proficiência em inglês do que qualquer outra região, com a Argélia, o Egito e a África do Sul melhorando em dois ou mais pontos. Pela primeira vez, uma nação asiática (Singapura) fica entre os três primeiros colocados. No entanto, a Ásia continua a possuir uma grande divisão regional entre os países com maior e menor proficiência. As mulheres continuam a superar os homens em inglês no mundo todo, e essa diferença de gênero vem aumentando desde 2016. O relatório completo pode ser acessado em: www.ef.com.br/epi/

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/08/2019
A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

13/08/2019
RH da OLX define planos de cargos e salários como ultrapassados

12/08/2019
Programa Fábrica de Talentos capacita mais de 300 alunos

05/08/2019
Dizer não é saudável para o ambiente de trabalho

05/08/2019
Polo Industrial do Software abre inscrições para programa de trainees

02/08/2019
TI Rio debate plano de cargos e salários para TICs

01/08/2019
Curso de gestão pública é top 1 de ranking nacional dos cursos a distância

29/07/2019
Dell oferece 1000 vagas em cursos de tecnologia por ensino à distância no Brasil

18/07/2019
Empresas oferecem 63 bolsas de estudo em Tecnologia

12/07/2019
Profissional do futuro é atento e despreza a zona de conforto

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

TICs vão demandar 700 mil novos profissionais na Indústria em cinco anos

Dados são do Mapa do Trabalho Industrial, feito pelo SENAI, que indicam ainda a urgência na qualificação de 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais por conta da indústria 4.0. Um dos especialistas em alta é o condutor de processos robotizados, com um incremento de 22% no número de vagas.

Técnicos são os que mais procuram especialização em Big Data

Cursos voltados para desenvolvimento Full Stack e Segurança Cibernética também são bastante demandados. No caso do big data, dos alunos formados nesta área, 45% possuem mais de 10 anos de experiência (sênior); 36% até nove anos (pleno) e 19% até três anos (recém-formados).

Agile reescreve a carreira do desenvolvedor de software

Ao mudar a entrega dos serviços – quebrando a prática dos longos projetos –, a metodologia também exige novos profissionais.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site