INCLUSÃO DIGITAL

TCU libera GESAC, mas exige mudanças no contrato entre Telebras e Viasat

Luís Osvaldo Grossmann ... 31/10/2018 ... Convergência Digital

O Tribunal de Contas da União avalizou em reunião nesta quarta, 31/10, dois contratos fundamentais dentro do plano de negócios da Telebras para uso do satélite nacional. De um lado, a Corte de Contas reconheceu como válida a inexigibilidade de licitação para a estatal prestar o programa de inclusão digital Gesac. Além disso, entendeu legal o acordo que a Telebras firmou com a americana Viasat para uso da capacidade do satélite. Mas exigiu uma renegociação de condições financeiras mais favoráveis.

“Em relação ao Gesac, entendemos que a inexigibilidade da Telebras está justificada. Está demonstrado que o lote único, a banda Ka e as peculiaridades do Satélite Geostacionário de Defesa e Comunicações fundamentam adequadamente a contratação”, defendeu o ministro Benjamin Zymler no voto apresentado ao TCU nesta quarta.

Há uma recomendação, no entanto, de que seja revisto de cinco para três anos o prazo total do contrato, ou ainda que antes desse prazo o governo reavalie novas ofertas de satélite, diante das promessas do setor privado para os próximos anos, para eventualmente rediscutir o valor negociado, de R$ 663 milhões. “Que se busque com base na Lei 8.666 o reequilíbrio econômico financeiro do contrato”, disse Zylmer.

O ministro relator ‘herdou’ a análise desse caso depois que o Tribunal decidiu unificar a análise com outro, que já estava com o relator, e que trata de questionamentos ao acordo Telebras/Viasat. Segundo Zymler, esse contrato também é legal à luz da Lei das Estatais (13.303/16). Ou seja, a Telebras – e as estatais em geral – tem maior flexibilidade com a nova lei. 

No entanto, entendeu que o acordo precisa ser mais proporcional às duas partes. Ou ainda, que o contrato não é ruim para a Telebras, mas pode, e deve, ter condições melhores. “A questão não é dizer se o plano de negócios da Viasat é bom ou ruim. Mas temos que reconhecer que o negócio é muito melhor para a Viasat que para a Telebras. Então, algum tipo de equilíbrio deve ser buscado pela Telebras e esse é o sentido da proposta”, resumiu Benjamin Zymler.

Por isso, a determinação do TCU é que Telebras e Viasat renegociem termos do contrato em 90 dias, quando então deverão apresentar à Corte de Contas o resultado das tratativas. Grosso modo, o Tribunal quer um maior equilíbrio entre o que cada uma das empresas vai ganhar com o acordo, visto que a projeção é que a estatal receba R$ 202,9 milhões até 2022, enquanto a Viasat vai embolsar R$ 310,8 milhões.

Para tanto, a primeira indicação do TCU é de que seja reduzido o valor mensal a ser pago por antena VSat, de R$ 160 para algum valor mais próximo de R$ 107,58. Esse valor foi alcançado com a retirada de itens que o Tribunal considera impróprios ao contrato, como “risco político” e “seguros e litígios”, além de uma readequação da margem de lucratividade e a devida ponderação sobre o adiantamento de R$ 50 milhões feito pela Telebras à parceira.

Outra mudança que o TCU quer ver implementada diz respeito à partilha das receitas. Pelo contrato, além da remuneração mensal das antenas, a Viasat vai vender 58% da capacidade do satélite e repassar à Telebras entre 19,5% e 21% dos ganhos. A área técnica chegou a sugerir que o percentual fosse para 35%, mas a decisão final foi não definir um número, mas deixar para a negociação.

Os valores levam em consideração ressarcimentos a serem feitos pela Telebras a partir de certo patamar de cobrança de Fistel das VSats, além do imposto de importação sobre as mesmas. Essas duas cobranças contam com proposições legislativas para serem reduzidas. Mas o TCU entendeu que não cabe que essa responsabilidade caiba à estatal. Daí a revisão que vai afetar a remuneração.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Swap de fibras é mandatório para levar banda larga em regiões desassistidas

Compartilhamento de infraestrutura é essencial para reduzir custos e definir modelos de negócios nas cidades onde as teles não investiram, observa o CEO da UmTelecom, Rui Gomes.

Anatel vai avaliar cobertura em banda Ka para troca de 450 MHz por satélite

Com a questão ainda empatada no Conselho Diretor, área técnica da agência terá 30 dias para demonstrar qual é a capacidade real de substituição dos compromissos assumidos pelas operadoras.

Viasat define projeto para vender Internet nas áreas mais remotas do Brasil

Segundo a vice-presidente da empresa americana, Lisa Scalpone, ofertas levam em conta a realidade de cada cidade com serviços de WiFi Comunitário, mas também será direcionada para empreendedores e usuários domésticos.

UIT: Cada 10% de penetração da banda larga eleva PIB em até 1,5%

Estudo da União Internacional de Telecomunicações indica que o crescimento da banda larga móvel tem impacto mais significativo entre os países mais pobres.

Novo edital para Cidades Digitais exige compartilhamento das fibras

Edital vai beneficiar 107 municípios com R$ 64 milhões para a implantação de infraestrutura de banda larga.

Provedores devem apontar PTTs que grandes operadoras terão que conectar

Anatel quer estabelecer os critérios para definir quais os pontos de troca de tráfego deverão constar das ofertas de referencia das teles com Poder de Mercado Significativo.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G