INCLUSÃO DIGITAL

TCU libera GESAC, mas exige mudanças no contrato entre Telebras e Viasat

Luís Osvaldo Grossmann ... 31/10/2018 ... Convergência Digital

O Tribunal de Contas da União avalizou em reunião nesta quarta, 31/10, dois contratos fundamentais dentro do plano de negócios da Telebras para uso do satélite nacional. De um lado, a Corte de Contas reconheceu como válida a inexigibilidade de licitação para a estatal prestar o programa de inclusão digital Gesac. Além disso, entendeu legal o acordo que a Telebras firmou com a americana Viasat para uso da capacidade do satélite. Mas exigiu uma renegociação de condições financeiras mais favoráveis.

“Em relação ao Gesac, entendemos que a inexigibilidade da Telebras está justificada. Está demonstrado que o lote único, a banda Ka e as peculiaridades do Satélite Geostacionário de Defesa e Comunicações fundamentam adequadamente a contratação”, defendeu o ministro Benjamin Zymler no voto apresentado ao TCU nesta quarta.

Há uma recomendação, no entanto, de que seja revisto de cinco para três anos o prazo total do contrato, ou ainda que antes desse prazo o governo reavalie novas ofertas de satélite, diante das promessas do setor privado para os próximos anos, para eventualmente rediscutir o valor negociado, de R$ 663 milhões. “Que se busque com base na Lei 8.666 o reequilíbrio econômico financeiro do contrato”, disse Zylmer.

O ministro relator ‘herdou’ a análise desse caso depois que o Tribunal decidiu unificar a análise com outro, que já estava com o relator, e que trata de questionamentos ao acordo Telebras/Viasat. Segundo Zymler, esse contrato também é legal à luz da Lei das Estatais (13.303/16). Ou seja, a Telebras – e as estatais em geral – tem maior flexibilidade com a nova lei. 

No entanto, entendeu que o acordo precisa ser mais proporcional às duas partes. Ou ainda, que o contrato não é ruim para a Telebras, mas pode, e deve, ter condições melhores. “A questão não é dizer se o plano de negócios da Viasat é bom ou ruim. Mas temos que reconhecer que o negócio é muito melhor para a Viasat que para a Telebras. Então, algum tipo de equilíbrio deve ser buscado pela Telebras e esse é o sentido da proposta”, resumiu Benjamin Zymler.

Por isso, a determinação do TCU é que Telebras e Viasat renegociem termos do contrato em 90 dias, quando então deverão apresentar à Corte de Contas o resultado das tratativas. Grosso modo, o Tribunal quer um maior equilíbrio entre o que cada uma das empresas vai ganhar com o acordo, visto que a projeção é que a estatal receba R$ 202,9 milhões até 2022, enquanto a Viasat vai embolsar R$ 310,8 milhões.

Para tanto, a primeira indicação do TCU é de que seja reduzido o valor mensal a ser pago por antena VSat, de R$ 160 para algum valor mais próximo de R$ 107,58. Esse valor foi alcançado com a retirada de itens que o Tribunal considera impróprios ao contrato, como “risco político” e “seguros e litígios”, além de uma readequação da margem de lucratividade e a devida ponderação sobre o adiantamento de R$ 50 milhões feito pela Telebras à parceira.

Outra mudança que o TCU quer ver implementada diz respeito à partilha das receitas. Pelo contrato, além da remuneração mensal das antenas, a Viasat vai vender 58% da capacidade do satélite e repassar à Telebras entre 19,5% e 21% dos ganhos. A área técnica chegou a sugerir que o percentual fosse para 35%, mas a decisão final foi não definir um número, mas deixar para a negociação.

Os valores levam em consideração ressarcimentos a serem feitos pela Telebras a partir de certo patamar de cobrança de Fistel das VSats, além do imposto de importação sobre as mesmas. Essas duas cobranças contam com proposições legislativas para serem reduzidas. Mas o TCU entendeu que não cabe que essa responsabilidade caiba à estatal. Daí a revisão que vai afetar a remuneração.


Carreira
Empresas oferecem 63 bolsas de estudo em Tecnologia

Parceria entra a Cabify e a Ironhack prevê a concessão de três bolsas integrais e 60 bolsas parciais nos três cursos disponíveis atualmente na Ironhack São Paulo: Desenvolvimento Web, UX/UI Design e Data Analytics.

Google Station é plataforma de monetização para Programa WiFi Livre SP

Empresa firmou parceria com América Net e Linktel, com patrocínio do Itaú, e já conta com 80 hotspots distribuídos na capital de São Paulo.

Pressão do TCU dobra ganhos da Telebras no contrato com Viasat

Em renegociação forçada pela Tribunal de Contas, o resultado inicialmente estimado em R$ 203 milhões foi turbinado em mais R$ 222 milhões com o acordo de uso da capacidade do satélite nacional para venda de acesso a internet.

TV Digital: Com parecer pró-TVs, Anatel acena com recursos para banda larga

Disputa pelos R4 3,6 bilhões acontecia entre TVs e Teles. Com saldo, haverá dinheiro para os demais projetos, afirma o presidente do Gired, conselheiro Moisés Moreira.

Infovias compartilhadas são estratégicas para ampliar a banda larga

Governo costura uma agenda de ações para massificar o acesso à conectividade no Brasil, entre elas está a revisão do fomento para as cidades inteligentes, revela o secretário de Telecomunicações do MCTIC, Vitor Menezes. Política governamental será debatida no Brasscom TecFórum, que acontece nos dias 24 e 25 de abril, em Brasília.

Embratel instala 15 mil novos hotspots gratuitos de Wi-Fi em Pernambuco

Operadora explica que serão 12500 pontos Wi-Fi instalados em órgãos do governo do Estado e aproximadmente 3000 direcionados para praças e locais públicos. Iniciativa faz parte do programa Pernambuco Conectado, que tem investimentos previstos de R$ 180 milhões.

Para Cade, não houve abuso das teles em questionar contrato da Telebras

Estatal acusou Sindisat, Sinditelebrasil e a amazonense Via Direta de ligitância de má-fé nas disputas judiciais pelo uso do satélite nacional. Para órgão antitruste, aões não eram infundadas.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G