GOVERNO » Política Industrial

Autoridade nacional de dados é fundamental para IoT

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/11/2018 ... Convergência Digital

Governo e Legislativo precisam avançar rapidamente na agenda legal e fiscal que envolve a internet das coisas para que o Brasil possa deslanchar nessa nova onda tecnológica. Como defendeu o presidente da Brasscom, Sérgio Paulo Gallindo, durante seminário sobre o tema na Câmara dos Deputados, algumas dessas medidas são urgentes e precisam ganhar prioridade.

“A gente precisa passar rápido desse momento de indecisão. O primeiro passo foi a aprovação da Lei de Proteção de Dados Pessoais, mas que infelizmente teve o veto à autoridade nacional de proteção de dados. Isso é interligado com internet das coisas porque boa parte das aplicações vai mexer com dados pessoais. Então precisamos ter essa autoridade nacional estabelecida e instalada dentro do período de vacatio legis para que todo o ecossistema trabalhe suas conformidades de acordo com o que essa autoridade vai indicar. Isso é urgente. Seria ideal ainda este ano, mas se não que na própria legislatura seja tratado com prioridade absoluta”, afirmou.

Ele lembrou, ainda, que a tributação incidente sobre as comunicações máquina a máquina, embora já tenham sido alvo de redução, ainda seguem altas para uma efetiva multiplicação do mercado de IoT no país. “A gente precisa fazer uma análise de elasticidade da tributação sobre a comunicação máquina a máquina. Houve uma redução, mas precisamos avaliar se habilitou o crescimento que se esperava. E sem comunicação máquina a máquina não há internet das coisas de forma massificada.”

Outro ponto levantado também durante o seminário é a desoneração dos investimentos para datacenters. Segundo o secretário de telecomunicações do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, André Borges, a política está pronta, mas esbarra na falta de recursos. “O regime especial para datacenters está pronto e só não está sendo implementado porque não tem uma fonte de custeio”, admitiu Borges durante o debate na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara.

Para o presidente-executivo da Brasscom, porém, parte desse debate sequer tem impacto fiscal relevante. “A desoneração de datacenters está paralisada e a gente tem dois problemas aqui. Um é mais fácil de resolver, porque a desoneração de investimentos não depende de renúncia fiscal. Na verdade o Brasil, sendo um país caro como é em investimentos, está perdendo esses investimentos, e o investimento perdido significa que a arrecadação é zero. Temos que trabalhar para que a MP que está ainda no MCTIC venha à tona e seja transformada em lei. Isso é fundamental.”

Na questão fiscal propriamente dita, a entidade sustenta a proposta referendada pelo CDES de que insumos básicos para datacenters (e não só), recebam tratamento da tributação normal dentro da reforma esperada.

“Na parte de operação [dos datacenters], principalmente voltada a insumos de energia e telecomunicações, o Conselho de Desenvolvimento Econômico Social tem uma proposta de reforma tributária, muito baseada no Centro de Cidadania Fiscal, onde defende que energia e telecomunicações sejam excluídas das alíquotas com seletividade, mas que entrem no equilíbrio geral das alíquotas do novo IVA.”


Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Vinte e dois anos depois, governo tenta, mais uma vez, criar uma identidade nacional

Mais um Grupo de Trabalho foi montado para fazer o projeto sair do papel. Objetivo é criar uma base digital que unifique documentos diversos como Registro Geral (RG), Cadastro de Pessoa Física (CPF), Carteira Nacional de Habilitação (CNH), Carteira de Trabalho, Título de Eleitor e Certificado de Reservista.

MCTIC quer destravar acordo Telebras/Viasat por banda larga em 100 dias

Em entrevista ao portal do Palácio do Planalto, o ministro Marcos Pontes ambém falou sobre levar robótica para as salas de aula.

Caio Mario de Andrade é o novo presidente do Serpro

Perfil escolhido para a estatal é de um empreendedor da Internet. Vice-presidência ficará com um servidor de carreira, Wilson Biancardi Coury, que estava cedido à Rede Nacional de Pesquisa.

MCTIC quer modelo privado para o financiamento à inovação

“Temos a Finep, mas precisamos de um modelo de parceria com o setor privado”, afirma o novo ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes.

Marcos Pontes negocia mais recursos com equipe econômica para o MCTIC

Ao ser questionado sobre TICs, o novo ministro foi bastante cauteloso. Sobre privatizações - Telebras e Correios - deixou claro que isso fica com o ministro da Economia, Paulo Guedes.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G