INOVAÇÃO

Parque Tecnológico Itaipu adota plataforma dojot para Internet das Coisas

Convergência Digital* ... 29/11/2018 ... Convergência Digital

A plataforma aberta dojot, desenvolvida pelo CPqD com o objetivo de facilitar a criação de aplicações de Internet das Coisas (IoT) adequadas à realidade brasileira, é o foco do acordo de cooperação tecnológica firmado recentemente pela organização com a Fundação Parque Tecnológico Itaipu (PTI). A parceria prevê não só a utilização da dojot em aplicações IoT desenvolvidas pelo PTI como, principalmente, a contribuição dessa instituição para a evolução dos recursos e funcionalidades da plataforma.

"Um dos objetivos do acordo é a migração para a dojot das diversas aplicações IoT que já desenvolvemos para clientes diferentes, em áreas como agronegócio e cidades inteligentes, por exemplo", explica Miguel Matrakas, gerente do Centro Latino-Americano de Tecnologias Livres (CELTAB) da Fundação PTI. "Além disso, nossa equipe vai trabalhar junto com o time do CPqD na evolução dessa plataforma open source, especialmente na adequação de algumas funcionalidades", acrescenta Matrakas.

Lançada há pouco mais de um ano, a dojot possui código aberto, o que facilita a colaboração entre os diversos atores do ecossistema IoT e contribui para a inovação aberta. "Essa é uma das principais vantagens oferecidas pelas soluções open source", afirma Marcelo Ribeiro Nascimento, gerente de desenvolvimento responsável pela dojot no CPqD. "Ao utilizar a plataforma, os desenvolvedores de aplicações e outros players do ecossistema IoT têm a oportunidade de contribuir para a sua própria evolução", conclui.







TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Biometria é o ‘empurrão do governo’ para aumentar a bancarização

Inclusão financeira passa por ações mais efetivas do governo, como aconteceu na Índia, afirmou  diretor-geral da Tata Consultancy Services no Brasil, Tushar Parikh.

Arquitetura distribuída: uma tendência que vai chegar ao Brasil

Na China, conta Daniel Leung, chefe de Fintechs e Arquitetura na Forms Syntron, ao trocar a arquietura tradicional pela distribuída, um banco ficou apto a suportar até 100 milhões de contas correntes.

Adarsh Kumar, Capgemini: open banking é transformador, mas dados pertencem aos clientes

O open banking vai mudar o modelo de serviços bancários, afirma o CTO e líder de cibersegurança para a América Latina da Capgemini.

Thales Teixeira, da Harvard: disrupção digital vai muito além da tecnologia

"Unidades de negócios podem se tornar desnecessárias em empresas estabelecidas, e o CEO terá de tomar decisões relevantes", adverte o professor Thales Teixeira, da Harvard Business School.

Bradesco: Next não vai 'matar' o banco tradicional

O diretor-presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, garante que os dois modelos de negócio irão conviver, mas admite que as agências físicas vão mudar de perfil. Também revela que o Next mira um público mais jovem.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G