Home - Convergência Digital

Teles vão investir US$ 47 bilhões até 2020 para atualizar infraestrutura na AL

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo* - 04/12/2018

As tecnologias e serviços móveis geraram 5% do PIB na América Latina em 2017, uma contribuição que totalizou US$ 280 bilhões em valor econômico agregado. Prevê-se que essa contribuição aumente para US$ 330 bilhões (5,2 por cento do PIB) até 2022. O ecossistema móvel da região também respondeu por cerca de 1,6 milhão de empregos em 2017 (direta e indiretamente) e contribuiu substancialmente para o financiamento do setor público, com aproximadamente US$ 36 bilhões arrecadados em 2017 via impostos gerais e taxas setoriais específicas. Os dados fazem parte do estudo "A Economia Móvel: América Latina e Caribe 2018", divulgado pela GSMA, entidade que reúne mais de 750 operadoras no mundo, em Buenos Aires, na Argentina.

O relatório diz ainda que o 4G está posicionado para superar o 3G como a tecnologia predominante na América Latina até o final de 2018. Segundo ainda a pesquisa, as redes 4G serão responsáveis pela maior parcela das conexões da região (38 por cento) até o final do ano, em comparação com apenas 8 por cento três anos antes.

Com o 4G também atingindo massa crítica em termos de cobertura (82 por cento da população), as operadoras vão investir substancialmente em atualizações de rede para suportar a aceleração do uso de smartphones e dados, definindo o caminho para a era 5G. Prevê-se que o 4G represente quase dois terços do total de conexões até 2025, quando as primeiras redes 5G da região serão implantadas nos principais mercados, como o Brasil e o México, abrangendo 8% do total de conexões na região.

"Os consumidores em toda a América Latina estão migrando rapidamente para serviços 4G, impulsionados pelo consumo de vídeo e uso de mídias sociais - e o crescimento do tráfego está exigindo investimentos significativos na rede para suportar serviços digitais novos e existentes", afirma Michael O'Hara, diretor de Marketing da GSMA. "Esperamos que as operadoras móveis da região invistam quase US$ 47 bilhões (capex) entre 2018 e 2020 em atualizações de rede antes da mudança para 5G. No entanto, o sucesso futuro dependerá fortemente de um ambiente de política flexível que encoraje o investimento contínuo da operadora em redes e, por sua vez, ofereça os benefícios da conectividade móvel de alta qualidade aos usuários finais. "

De acordo com o relatório, mais de dois terços da população da região estão conectados a uma rede móvel. Em meados de 2018, havia 442 milhões de assinantes móveis únicos na América Latina e no Caribe (68 por cento da população), número que deve crescer para 517 milhões (74 por cento) até 2025. No entanto, há uma grande variação nos níveis de penetração de assinantes; vários países - como Argentina, Chile e Uruguai - estão se aproximando da penetração total, enquanto outros, incluindo Guatemala, Honduras e Nicarágua, ainda têm bastante espaço para o crescimento futuro dos assinantes.

"Atualmente, cerca de metade da população da região está conectada à internet móvel - isso deve crescer para 65% até 2025, porém significa que ainda há trabalho a ser feito para garantir que milhões de cidadãos sejam incluídos digitalmente e se beneficiem das oportunidades sociais e econômicas provenientes de estar online", acrescenta O'Hara. "Por isso, é vital que a indústria móvel seja capaz de trabalhar em conjunto com governos e outros stakeholders para lidar com as barreiras à adoção da internet móvel, como cargas tributárias e taxas excessivas que afetam negativamente a precificação e o acesso".

O relatório "A Economia Móvel: América Latina e Caribe 2018" é de autoria da GSMA Intelligence, braço de pesquisa da GSMA. Para acessar o relatório completo e os infográficos relacionados, acesse: www.gsma.com/mobileeconomy/latam.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

18/04/2019
Brasil emplaca na UIT referência de arquitetura para Internet das coisas

18/04/2019
Ciência na Escola terá R$ 100 milhões para formar uma nova geração de cientistas no Brasil

18/04/2019
.br completa 30 anos com 4 milhões de domínios registrados

18/04/2019
Carros conectados: Comissão Europeia impõe derrota ao 5G e elege o Wi-fi como tecnologia padrão

17/04/2019
FCC barra China Mobile de atuar nos Estados Unidos

17/04/2019
Ministério da Economia seleciona 105 startups para aceleração

17/04/2019
Transparência na oferta derrubou preço dos dutos, indica Anatel

16/04/2019
Provedoras mineiras se unem e iluminam 750 Km de fibras ópticas

16/04/2019
Brechas legais para reconhecimento facial exigem autoridade de dados forte

16/04/2019
Senacon diz que Congresso não pode dar independência à autoridade de dados

Destaques
Destaques

Ecossistema de IoT movimentará R$ 38 bilhões

Projeção do mercado é que o segmento vai crescer acima de 20% ano contra ano até 2022. Dispositivos, em especial os smartphones, impulsionam o crescimento dos investimentos em TI ao longo de 2019.

Para Ericsson, 5G vai fazer acontecer, de verdade, a indústria 4.0

Presidente da fabricante para a América do Sul, Eduardo Ricotta, diz que uma operadora com 50 Mhz a 80 Mhz terá espectro para oferecer bons serviços, especialmente, o da banda larga fixa móvel. "Há cidades no Brasil, com menos de 100 mil habitantes, com conexões de 2 Mbits. O 5G vai chegar oferecendo bem mais", observa.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Smartphones colocam Inteligência Artificial na palma da mão

Por Samir Vani*

Tecnologias como reconhecimento facial, identificação de objetos e realidade aumentada já estão disponíveis na palma das nossas mãos, mas boa parte das pessoas não sabe ainda.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site