INCLUSÃO DIGITAL

Para Kassab, sobras devem ficar na expansão da cobertura da TV Digital

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/12/2018 ... Convergência Digital

Na disputa entre teles e emissoras de televisão pelos R$ 877 milhões estimados em sobras do processo de migração da TV Digital, o ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, sustentou que os recursos sejam mantidos como previsto, para a distribuição de kits de recepção para famílias de baixa renda e transmissores digitais.

“Esse é um recurso importante e seu direcionamento não pode ter nenhum questionamento, ou poderemos perder esse recurso e comprometer o programa. O dinheiro deve ir para a continuidade do programa, até porque foi um recurso arrecadado para esse fim. Portanto seria algo muito, não diria arriscado, mas diferente”, afirmou Kassab.

Nesta terça, 12/12, o ministro liderou a cerimônia de assinatura da portaria que determina o desligamento dos sinais analógicos de televisão em 545 cidades no interior de São Paulo e do Rio de Janeiro. O último agrupamento com desligamento analógico previsto para esta fase – Mossoró (RN), Governador Valadares (MG), Dourados (MS), Marabá (PA), Petrolina (PE) e Parnaíba (PI) – deve acontecer em 9 de janeiro de 2019.

O setor de radiodifusão já apresentou proposta para que as sobras desse processo sejam destinadas a mais kits de conversores para as famílias pobres e para transmissores digitais para prefeituras que financiaram as próprias antenas retransmissoras de TV dos municípios. Kassab aponta que o edital da faixa de 700 MHz previa essa destinação.

“O ministro das Comunicações, quando tem divergência sobre um assunto, se não se manifesta não é ministro. Minha opinião é clara. O recurso foi arrecadado para esse fim. Portanto ao mudar seu direcionamento temos grande risco de questionamento jurídico para quem fez a mudança e sobre o programa”, insistiu o ministro.

“O que temos é um bom problema”, afirmou o presidente da Anatel, Leonardo de Morais. “Cumprimos o cronograma com menos recursos previstos. Algo que não é recorrente no contexto das políticas em geral, públicas ou privadas. E essa questão vai ser definida com diálogo e a percepção de todos os atores de quais são os projetos que melhor se amoldam à política pública definida.”

O tema vai ser encaminhado pelo Gired, o grupo de TVs, teles, Anatel e MCTIC que coordena a implantação do sistema brasileiro de TV Digital, para uma decisão do Conselho Diretor da Anatel. Isso porque os recursos, originalmente R$ 3,6 bilhões, são parte do preço pago pelas operadora móveis pela faixa de 700 MHz, em leilão realizado em 2014.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Viasat: TCU controla viabilidade de acordo com Telebras

Segundo a vice presidente da empresa, Lisa Scapone, a demanda existe e pode ser medida pelo Gesac, mas operação comercial no Brasil depende dos ajustes no contrato para uso do satélite nacional.

PC fica cada vez mais distante da população mais pobre no Brasil

Dados do IBGE revelam que os mais pobres do País trocaram os PCs pelos celulares e tablets. A proporção da população com acesso à internet no domicílio passou de 67,9% em 2016 para 74,8% em 2017.

Parceira da Telebras amplia WiFi via satélite no México para áreas urbanas

Dois anos depois de começar a explorar banda larga satelital em áreas remotas do país, como promete fazer no Brasil, a empresa americana Viasat anuncia conexões de 100 Mbps e preços para competir com internet fixa.

Para TCU, políticas desconexas desperdiçam dinheiro com inclusão digital

Ao citar a política de Banda Larga, Tribunal observa que a falta de coordenação gera redundância, falta de isonomia e obstáculos à oferta de serviços.

CPFL: É preciso predisposição para se ter um consenso no uso dos postes

"Não é fácil, mas é preciso existir um alinhamento. Estão todos do mesmo lado", diz o diretor da CPFL, André Luiz Gomes.

Swap de fibras é mandatório para levar banda larga em regiões desassistidas

Compartilhamento de infraestrutura é essencial para reduzir custos e definir modelos de negócios nas cidades onde as teles não investiram, observa o CEO da UmTelecom, Rui Gomes.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G