TELECOM

Governo publica, enfim, Decreto que revisa políticas de telecomunicações

Luís Osvaldo Grossmann ... 18/12/2018 ... Convergência Digital

Demorou, mas saiu nesta terça-feira, 18/12, o Decreto 9.612, pelo qual são enterradas as políticas públicas que envolvem telecomunicações criadas desde 2003 e é estruturada uma nova lógica para a expansão da infraestrutura que permite acesso a internet. Sai o plano nacional de banda larga e entra o direcionamento de compromissos assumidos pelas operadoras privadas.

O cerne é determinar que as políticas públicas relativas à inclusão digital “objetivam fomentar e implantar a infraestrutura, os serviços, os sistemas e as aplicações baseados em TIC, necessários para o acesso às redes de telecomunicações pela população de localidades remotas, com prestação inadequada ou inexistente ou em situação de vulnerabilidade social”.

Como não há recursos associados diretamente ao Decreto, sua operacionalização está efetivamente atrelada ao artigo 9º, que trata dos “compromissos de expansão dos serviços de telecomunicações fixados pela Anatel em função da celebração de termos de ajustamento de conduta, de outorga onerosa de autorização de uso de radiofrequência e de atos regulatórios em geral”.

Os TACs, leilões, etc devem exigir “expansão das redes de transporte de telecomunicações de alta capacidade”, com prioridade para locais  que ainda não disponham dessa infraestrutura, onde haja projetos aprovados de implantação de cidades inteligentes, para o aumento da cobertura de redes de móveis e ainda a ampliação da abrangência de redes de acesso em banda larga fixa.

Essas redes de transporte e as redes metropolitanas implantadas a partir dos compromissos firmados com a Anatel estarão sujeitas a compartilhamento a partir da sua entrada em operação. No entanto, o Decreto prevê ainda que “regulamentação da Anatel poderá desobrigar o compartilhamento” no caso de ser “verificada a existência de competição adequada no respectivo mercado relevante”.

Também importa uma ideia recorrente nas políticas e determina que “a administração pública federal direta, autárquica e fundacional autorizará, por meio de cessão, sempre que tecnicamente possível e em condições isonômicas, o uso de edificações, terrenos e demais imóveis sob sua administração para facilitar a implantação de infraestrutura de telecomunicações”.

Com o novo Decreto ficam revogados três antecessores, o Decreto 4733/03, que privilegiava a modicidade tarifária, o Decreto 7175/10, que criou o Plano Nacional de Banda Larga, e o 8776/16, lançado nos últimos minutos do governo Dilma Rousseff, batizado de Brasil Inteligente. Apesar do PNBL ser revogado, o papel da Telebras é mantido, ou seja, a empresa pode prestar acesso à Internet para usúarios finais em localidades não atendidas, desde que sob a supervisão do MCTIC.


Internet Móvel 3G 4G
No Brasil, 60% dos celulares já são 4G

Planos pós-pagos, incluindo os tipo 'controle', continuam ganhando terreno e terminaram o mês de abril como modelo de pagamento de 45% dos acessos móveis em serviço.

Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

TIM quer infraestrutura única para cidades com menos de 30 mil habitantes

Para o CTIO da operadora, Leonardo Capdeville, não faz sentido infraestruturas diferentes em localidades onde a receita é mais baixa. CEO da TIM, Pietro Labriola, fala em IoT como fonte nova de receita.

Anatel mantém pente fino na recuperação judicial da Oi

Agência vai manter o grupo de trabalho criado para acompanhar a operadora. Também quer receber dados financeiros, fluxo de caixa atual, receitas e custos e financiamentos, além de eventuais alienações. Prazo dado à Oi para passar as informações é de 60 dias.

Uma em cada cinco conexões à internet fixa acontece por fibra óptica

Em 12 meses, proporção dos acessos registrados pela Anatel que usam a tecnologia passou de 12% para 20% do total. Cabo detém outros 30%. O Brasil contabiliza 6,33 milhões de acessos em fibra óptica. ISPs mostram força e já representam 21% do market share.

Smartphones puxam demanda global por carregadores sem fio

Segundo números da consultoria IHS Markit, em 2018 foram registrados embarques de 300 milhões de smartphones com essa tecnologia.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G