Convergência Digital - Home

RNP muda para ir ao mercado e oferecer serviços de nuvem

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 19/12/2018

Responsável pelo backbone e a conectividade das universidades e centros de pesquisa brasileiros, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa passa por uma reestruturação institucional que coincide e endereça o início da operação comercial de serviços de computação em nuvem.

Criada ainda em 1989, a RNP só começou a efetivamente implantar a rede que hoje interliga a Academia brasileira uma década depois. E outra década se passou. “Muita coisa mudou em 10 anos. As novas definições têm mais a ver com o momento e com o futuro da RNP”, afirma o diretor-geral Nelson Simões.

Mais do que a rede em si, restruturação formalizada pela portaria 3.825, conjunta entre MEC e MCTIC determina que a RNP agora deve “projetar, implantar, manter e desenvolver uma ciberinfraestrutura nacional para uso na educação, pesquisa e inovação brasileiras, ofertando serviços de comunicação, computação e armazenamento de alta capacidade e desempenho”, “infraestrutura de redes”, “serviços e aplicações avançadas”.

Há mais de um ano a RNP começou a oferecer serviços de nuvem, atuando como broker e orquestrando entre Google e Microsoft, no que até aqui é a oferta de conteúdos educacionais. “Fizemos essa oferta educacional como piloto e vamos para a oferta comercial em 2019, o que vai incluir acordos com outros provedores. Estamos fazendo em conjunto com as áreas de TI das universidades e para elas vai representar uma grande simplificação”, explica Simões.

Além dos backbones da Rede Ipê, a RNP ganhou capilaridade com o projeto de interiorização das redes (Veredas Novas) e com a criação de redes metropolitanas (Rede Comep). A expansão foi também impulsionada pela obrigação da Oi de fornecer infraestrutura, uma das condições para comprar a Brasil Telecom. Esse compromisso acaba em 2020 e a RNP avança na substituição por acordos com o setor elétrico.


LEIA TAMBÉM:
PowerEdge MX - Conteúdo Patrocinado Dell EMC - Convergência Digital
Dell: fornecedor tem o papel de habilitar a transformação digital

A nova linha de servidores precisa ser a base do equilíbrio entre as aplicações do futuro e o legado das empresas para assegurar escala e preservar o investimento, observa o vice-Presidente Sênior e Gerente Geral da Dell EMC Brasil, Luis Gonçalves.


Destaques
Destaques

Next, do Bradesco, endossa multicloud na jornada digital

Banco digital leva aplicações consideradas não estratégicas - como o uso da localização para identificar o endereço do cliente - para a nuvem pública, mas mantém uma cloud privada para as informações mais sensíveis.

Dados 'inúteis' geram valor, dinheiro e uma nova função na TI

O Data Trash Engineer, ou engenheiro de reciclagem de dados, tem a missão de tirar valor de dados considerados inutilizáveis na TI. Essa é uma das 21 profissões do futuro, revela pesquisa. Surge também o Auditor de Viés Algorítmico.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Intuição versus análise de dados na gestão

Por Douglas Scheibler*

O poder decisório significa alta responsabilidade e inúmeros riscos. Neste cenário caótico, analisar dados é indispensável e é o que justifica uma determinada medida ser considerada como correta, em um cenário específico, em detrimento de outras.

Data Centers: agora é hora de ver acontecer

Por Gilberto Gonzaga*

O que recentemente era apenas uma tendência já pode ser observado na prática. A expectativa, agora, é que esses movimentos se consolidem cada vez mais e nos levem a uma nova era de conectividade, da qual a América Latina não ficará de fora.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site