INCLUSÃO DIGITAL

America Net: Programa WiFi Livre SP une risco e oportunidade de negócios

Por Roberta Prescott* ... 23/01/2019 ... Convergência Digital

A America Net traçou como meta usar o programa WiFi Livre SP, onde vai investir R$ 20 milhões para passar dos atuais 60 pontos para 619 na capital paulista, para reforçar e consolidar a sua marca junto aos assinantes. O investimento previsto é R$ 20 milhões para a construção de infraestrutura. José Luiz Pelosini, vice-presidente da America Net, explicou que o novo modelo do programa WiFi Livre SP mudou a forma de contratação e que, em vez da prefeitura fazer a contratação do serviços, com pagamento mensal pelo serviços de Wi-Fi, as empresas credenciadas prestarão serviços sem ônus para a prefeitura, mas poderão vender espaços publicitários, por exemplo, fazendo com que o usuário tenha de assistir a um vídeo ou ver um anúncio antes de navegar.

“Estamos buscando parceiro para fazer a parte de monetização. Não é nosso negócio vender anúncio, por isto, vamos contratar empresa para comercializar os pontos”, explicou. Dos 619 pontos, metade será em localidades obrigatórias, o que obriga a America Net a entregar a infraestrutura em até um ano após a assinatura do contrato — os pontos opcionais precisam ter o acesso em até dois anos. Pelo programa, outras empresas podem ser credenciar para ofertar internet sem fio nos mesmos locais, no entanto, o VP acredita que dificilmente isto ocorrerá. “Legalmente é possível ter outros players, mas economicamente não seria viável para eles, já que estaremos operando”, afirmou.

O VP calcula que o tempo de amortização do investimento de R$ 20 milhões será de cinco anos. “Existe expectativa de retorno e de lucro”, disse, sem revelar números. Pelosini avalia que o alto investimento é de risco, mas se mostrou entusiasmado com o retorno que a empresa terá, principalmente, de exposição de marca e de as pessoas passarem a conhecer a qualidade do serviço da operadora.

Questionado sobre o que motivou a America Net a se credenciar para todos os pontos, Pelosini explicou que o projeto tem tudo a ver com o DNA da empresa, que atualmente oferece serviços de telefonia fixa e móvel, serviços de dados e links MPLS com cobertura em sete Estados mais o Distrito Federal, chegando a 250 cidades.

Hoje, a operadora tem pouco mais de 16 mil quilômetros de rede ótica. “O principal business é a venda de soluções sob medida para empresas de todos os portes. De alguns anos para cá, projeto que vem se desenvolvendo bem no varejo, atendendo a residências e pequenos comércios com banda larga, telefonia fixa e móvel, enfim, todo leque de soluções de operadora de telecom”, disse. A America Net opera na telefonia móvel no modelo de MVNO usando a rede da TIM.

Crescimento

A empresa não abre faturamento, mas Pelosini adiantou que houve crescimento de mais de 20% em 2018 em relação a 2017 e que a expectativa para 2019 é seguir em alta. “Hoje temos mais de 50 mil assinantes no mercado de banda larga. Nossa expectativa é, que com este projeto que vem evoluindo, nos próximos três anos consigamos cabear cem cidades para chegar com oferta de banda larga fixa no Estado de São Paulo”, explicou.

Chegar a cem cidades seria um enorme salto em comparação às dez cidades nas quais a operadora tem presença atualmente. Em 2019, a meta é expandir a rede para mais seis cidades. “Estamos trabalhando agora para viabilizar fortemente o projeto de crescimento rápido para em três anos estar em cem cidades”, reforçou. Segundo o VP, a expansão não se dará por meio de fusão ou aquisição de outras empresas. “A discussão atual é como conseguimos dar este salto, qual vai ser a fórmula.”

Fonte: site da Abranet


Anatel quer BNDES como agente financeiro para usar FUST na expansão da banda larga

Agência reguladora aprovou o Plano Estrutural de Redes de Telecomunicações, o PERT. De acordo com a Anatel, 3.542 dos 5.570 municípios do país não possuem acesso à rede de fibra óptica. Agência também diz que dos R$ 20 bilhões do FUST, apenas R$ 200 mil foram aplicados no setor.

Acesso à Internet reproduz desigualdade social e econômica no Brasil

Estudo do IPEA mostra que a falta de acesso à internet repete as mesmas adversidades e exclusões já verificadas na sociedade brasileira no que tange a analfabetos, menos escolarizados, negros, população indígena e desempregados.  Homens e mulheres têm comportamento semelhantes na Web.

Google Station é plataforma de monetização para Programa WiFi Livre SP

Empresa firmou parceria com América Net e Linktel, com patrocínio do Itaú, e já conta com 80 hotspots distribuídos na capital de São Paulo.

Pressão do TCU dobra ganhos da Telebras no contrato com Viasat

Em renegociação forçada pela Tribunal de Contas, o resultado inicialmente estimado em R$ 203 milhões foi turbinado em mais R$ 222 milhões com o acordo de uso da capacidade do satélite nacional para venda de acesso a internet.

TV Digital: Com parecer pró-TVs, Anatel acena com recursos para banda larga

Disputa pelos R4 3,6 bilhões acontecia entre TVs e Teles. Com saldo, haverá dinheiro para os demais projetos, afirma o presidente do Gired, conselheiro Moisés Moreira.

Infovias compartilhadas são estratégicas para ampliar a banda larga

Governo costura uma agenda de ações para massificar o acesso à conectividade no Brasil, entre elas está a revisão do fomento para as cidades inteligentes, revela o secretário de Telecomunicações do MCTIC, Vitor Menezes. Política governamental será debatida no Brasscom TecFórum, que acontece nos dias 24 e 25 de abril, em Brasília.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G