Home - Convergência Digital

Transformação digital: reter e atrair talentos redefine o Recursos Humanos

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 05/02/2019

Atrair e reter talentos é um dos grandes desafios das empresas e apesar de muitas organizações enxergarem isso como uma das prioridades, a maioria ainda não entende a importância de recrutar profissionais que têm aderência a cultura corporativa, observa a headhunter da Yoctoo, Marina Bandão. Segundo ela, uma vez que a empresa consegue montar um time coeso, que trabalha alinhado com os valores da organização, atingir as metas e os resultados fica muito mais fácil, é nesse lugar que surge a importância de recrutar e reter talentos que compartilham dos valores empresariais.

Um dos desafios das corporações é avaliar se os candidatos têm aderência a cultura organizacional. Marina Brandão ressalta que é preciso entender o que é, e como se forma essa cultura interna. Em linhas gerais, explica a especialista, a cultura organizacional é a essência da empresa, aquilo que é percebido no dia a dia do trabalho, expressada na maneira como a organização se relaciona com o mercado, como trata seus clientes, como desenvolve seus funcionários e como esses interagem entre si. Ou seja, é um conjunto de hábitos, valores e atitudes que estão implícitos e explícitos em todas as relações e pontos de contado do negócio.

Identificar e construir essa cultura passa por observar atentamente um conjunto de fatores e influenciar positivamente aquilo que estiver coerente com a identidade da organização, bem como descontruir hábitos que são nocivos e não têm afinidade com os valores empresariais. O departamento de Recursos Humanos é um norteador dessa cultura, ele exerce papel indispensável no fomento dessas atitudes, no engajamento das pessoas e na formação de um time que esteja alinhado a esse conjunto de regras e valores.

A headhunter sinaliza que, na hora de avaliar os candidatos, um dos principais fatores que temos que ter clareza é quais são os valores da empresa que estamos trabalhando, bem como ter mapeado o que define a sua cultura organizacional. Da mesma forma, para identificar se o profissional está alinhado o recrutador precisa entender o momento de carreira que essa pessoa está vivendo, e fazer perguntas abertas sobre as escolhas de carreira que essa pessoa fez. A medida que entendemos os motivadores de carreira, a maneira como a pessoa toma decisões, as circunstâncias e situações que o profissional vive ou já viveu em sua vida, fica mais fácil traçar um perfil e entender se esse candidato tem o mesmo posicionamento que a empresa.

Perfis psicológicos são bons norteadores, mas o feeling e a experiência do recrutador ainda são indispensáveis nesse processo. Quando ao assunto é recrutamento é muito difícil encontrar pessoas 100% alinhadas a cultura da empresa. Mas, quanto mais próximas essas estiverem dos valores, mais fácil incentivar internamente algumas características e “plantar sementes” por meio da comunicação e do feedback.

Para Marina Brandão, um processo de contratação precisa fazer sentido para ambos os lados, e por isso, o candidato também precisa avaliar se a empresa e a oportunidade estão de acordo com as suas expectativas de carreira. Isso vai além da descrição de tarefas da posição. O profissional deve avaliar o quanto o propósito da empresa conversa com seus valores pessoais e seus sonhos e objetivos de vida. É muito difícil nos entregarmos para um projeto o qual não acreditamos, portanto, o autoconhecimento é uma ferramenta indispensável nesse processo.

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

11/04/2019
Procuram-se gerentes de transformação digital no Brasil

21/03/2019
Empresas brasileiras tiram nota vermelha na adequação à transformação digital

01/03/2019
Se a transformação digital falhar, a culpa é 100% da TI

18/02/2019
Mais de 30% das empresas brasileiras admitem não proteger dados de clientes e funcionários

18/02/2019
Quatro entre 10 empresas são 'preguiçosas digitais'

18/02/2019
Huawei e Inatel abrem inscrições para Fábrica de Talentos 2019

05/02/2019
Transformação digital: reter e atrair talentos redefine o Recursos Humanos

16/01/2019
Dell projeta a volta das compras de TI no setor público

16/01/2019
Next, do Bradesco, endossa multicloud na jornada digital

16/01/2019
Mais da metade das empresas brasileiras está muito longe da transformação digital

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

STF anula decisão do TST e reforça valor legal da terceirização

Decisão aconteceu em uma ação de uma atendente contratada pela Contax, prestadora de serviços de call center, para atuar como terceirizada na Telemar Norte Leste.

Mais de 60% dos brasileiros estão infelizes, mas têm medo de mudar de emprego

Estudo da Brands2Life, com o LinkedIn, traz um dado assustador: 80% dos brasileiros não se candidata para a vaga de trabalho que gostaria. Cerca de um terço dos profissionais deixa de se candidatar a uma nova vaga por falta de confiança na sua própria capacidade.

Serviços de TI e de Telecom podem ser 100% terceirizados no Governo Federal

Também foi incluída na lista divulgada pelo governo Federal o serviço de teleatendimento. Decisão está publicada na portaria 443/2018.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site