Convergência Digital - Home

Nuvem pública deslancha no Brasil e receita estimada é de R$ 2,3 bilhões

Convergência Digital
Por Roberta Prescott* - 06/02/2019

O mercado brasileiro de nuvem pública demorou para começar, mas agora tem tudo para deslanchar. A análise é de Pietro Delai, gerente de consultoria e pesquisa da IDC Brasil. Ao comentar a projeção de que a nuvem pública no Brasil chegará a US$ 2,3 bilhões em 2019 e vai crescer a uma taxa de 35,5% ao ano até atingir US$ 5,8 bilhões em 2022.

O executivo conversou com a imprensa durante o lançamento do IDC Predictions Brazil, que apontou segurança da informação, inteligência artificial, gestão de dados e big data analytics, nuvem pública, internet das coisas, arquiteturas modernas e DevOps, amadurecimento do mercado de dispositivos, SD-WAN e serviços gerenciados como as principais tendências no setor de tecnologia da informação e telecomunicações no Brasil em 2019.

Segundo a consultoria, o mercado de nuvem pública no Brasil tem muito para crescer. Enquanto o Brasil figura entre o quinto ou sexto mercado de TIC do mundo, quando o recorte mostra apenas computação em nuvem pública, a posição do País cai para 12ª ou 13ª. Esta diferença mostra que há espaço para crescer e as corporações parecem que já entenderam isto.

No Brasil, 49% das empresas que contratam serviços de nuvem pública já se enxergam como multicloud. "O mercado já enxerga multicloud como sendo um caminho, embora, o entendimento do que é multicloud não está para todos os gestores", diz Delai. Segundo ele, multicloud pode ser definida como tenho a infraestrutura espalhada em vários fornecedores, com camada de gestão e um processo de movimentação entre as nuvens.

A IDC aponta que brokers e provedores de serviços gerenciados de nuvem (managed cloud services providers) são fontes cada vez mais importantes para a contratação e diz que há um aumento de demanda por serviços gerenciados. Um dos motivos para o aumento de managed cloud service é que, depois de dois anos de crise, equipes mais enxutas e este modelo de contrato pode suprimir necessidades.

Questionado sobre o que impulsiona o aumento da nuvem pública, Delai apontou a escalabilidade e o tempo de atendimento ao mercado. "Hoje para subir um ambiente dentro de casa leva muito tempo, principalmente, com uma equipe enxuta. Se ganha agilidade", explicou. As empresas, reforçou a IDC, têm experimentado o modelo, mas ainda estão levando periféricos para nuvem, mas analisando com muita cautela levar os essenciais, o core.

"Vemos que a parte de relacionamento com o cliente está avançando, com as campanhas de marketing indo para nuvem. Se olhar da perspectiva das camadas, a parte de infraestrutura cresce em nível mais forte, com as empresas substituindo a completa atualização do parque por ir para nuvem", completou Luciano Ramos, gerente de pesquisa e consultoria de software e serviços da IDC. 

Serviços gerenciados

Em diversas previsões apresentadas pela IDC, os serviços gerenciados ganharam destaque. Eles constituem uma alavanca importante para a jornada rumo à TI flexível, um contexto no qual a nuvem exerce um papel preponderante para a flexibilização da infraestrutura de TI. Além disto, a IDC apontou que os serviços gerenciados de segurança se apresentam como uma forma de atingir melhores patamares de maturidade e mitigar os desafios de obtenção e retenção de talentos, enquanto os serviço gerenciados para SD-WAN avançam e geram oportunidades.

Para a IDC, 2019 será o ano de consolidação de SD-WAN no mercado brasileiro. Globalmente, até 2020, 80% das grandes empresas terão SD-WAN implementado, mas no Brasil a maturidade ainda é baixa, ainda que exista, entre os CIOs, o entendimento de que SD-WAN melhora a experiência do cliente e é habilitador de novos projetos. Para a IDC, serviços gerenciados para SD-WAN é importante oportunidade para operadoras e integradores em 2019, principalmente, devido à falta de capacitação da equipe de TI.

"O Brasil ainda está no início, não há um completo entendimento da tecnologia por parte dos CIOs e da TI, mas já houve uma evolução e ela seguirá", disse André Loureiro, gerente de pesquisa e consultoria de TIC da IDC. "Os CIOs estão entendendo que SD-WAN pode reduzir custos", completou. A IDC projeta que, no Brasil, cerca de 40% das grandes organizações utilização SD-WAN em alguns de seus sites em 2019.


Destaques
Destaques

Salesforce: blockchain é a resposta para retomada da confiança digital

Blockchain vai trazer mais rapidez, eficiência e transparência, sustenta o o diretor de Marketing da Salesforce para a América Latina, Daniel Hoe. Empresas brasileiras já testam a solução da Salesforce.

Banestes investe na nuvem para vender serviços digitais em todo o Brasil

Banco público do Espírito Santo conduz uma transformação de sistemas para a oferta de novos produtos, mas o CIO, Silvio Grillo, diz que a mudança cultural é tão relevante quanto a tecnologia.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site