TELECOM

Sem consenso, Anatel não bate o martelo sobre a faixa de 450 Mhz

Luís Osvaldo Grossmann ... 07/02/2019 ... Convergência Digital

O Conselho Diretor da Anatel vai levar pelo menos mais dois meses para decidir se aceita o pedido das operadoras móveis para cumprir obrigações associadas ao leilão de 450 MHz/2,5 GHz com o uso de tecnologias via satélite. O conselheiro Emmanoel Campelo voltou a pedir informações da área técnica sobre as projeções de cobertura de serviço e seus prazos.

“O processo envolve questões muito relevantes, cuja solução não é trivial, inclusive já tem quatro manifestações de conselheiros. Em maior ou menor grau os votos admitem a cobertura satelital, mas se diligenciei a área técnica sobre os valores dos descumprimentos, é necessário atualizar antes de trazer a proposta ao colegiado”, afirmou o conselheiro.

Trata-se de pedido de Vivo, TIM, Claro e Oi para trocarem as obrigações de implementação de redes terrestres assumidas em 2012, quando compraram a faixa de 450 MHz, por serviços via satélite. As empresas alegam ser restrita a disponibilidade de equipamentos nessa fatia do espectro. Por isso, para atender parte dos compromissos assumidos no leilão fizeram uso de soluções satelitais. Querem que a Anatel reconheça e dê as obrigações como atendidas.

O tema divide o Conselho Diretor. Na prática, com quatro votos com embasamentos distintos, há dois votos favoráveis e dois votos contrários ao pleito das empresas. Campelo, portanto, tem em mãos o voto de Minerva. As novas diligências aprovadas nesta quinta, 7/2, devem ser concluídas em 60 dias.


Internet Móvel 3G 4G
2021 será o ano do salto do 5G

E em apenas dois anos, eles vão representar mais da metade - 51% - das vendas de smartpohones, aponta o Gartner.  No Brasil, ao Estadão, o conselheiro Vicente Aquino, sem dar detalhes, diz que o Governo vai arrecadar R$ 20 bilhões com a venda das licenças, previstas para março de 2020.

Veja edição 12 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 12
Especial 20 Anos de Internet no Brasil


Há 20 anos os provedores de Internet escrevem suas histórias no País. A trajetória não foi nada fácil. Houve decisões políticas e econômicas significativas. Infraestrutura, modelo de negócios e fidelização de clientes foram relevantes no passado e continuam sendo no presente. Ao longo de duas décadas, os ISPs tiveram de se reinventar diversas vezes para não deixar de existir.

Clique aqui para ver outras edições

Começa a valer cadastro que bloqueia telemarketing das teles

A partir deste 16/7, será possível inscrever números no cadastro ‘Não Me Perturbe’. Promessa da Anatel é que em 30 dias os inscritos não receberão mais chamadas promocionais das operadoras de telecom.

Imposto zero para IoT está na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara

Deputado Federal, Paulo Ganime (Novo/RJ), diz que o projeto de Lei 7656/2017, corrige uma distorção - a cobrança de FISTEL para os dispositivos IoT.

Governo autoriza aumento de capital da Telebras de R$ 1,17 bilhão

Montante é reflexo dos aportes autorizados em 2015, 2016, 2017 e 2018, quando a estatal estava ainda em acerto financeiro do satélite geoestacionário de defesa e comunicações. 

Comissão aprova prazo de seis meses para instalação de bloqueador de celular em presídios

Relator do projeto retirou o dispositivo que condicionava as novas outorgas de telecomunicação à instalação, ao custeio e à manutenção dos bloqueadores pelas prestadoras.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G