TELECOM

Teles trocam toda a base de pré-pagos a cada dois anos

Luís Osvaldo Grossmann ... 13/02/2019 ... Convergência Digital

Um estudo feito em oito países onde predominam os planos pré-pagos de celular mostra que as constantes trocas de chips pelos clientes fazem com que as operadoras móveis troquem toda a base desses assinantes a cada 21 meses. A tentativa de capturar e manter clientes, no entanto, tem custos. Mesmo nos casos em que não há crescimento da base. Só no Brasil, Argentina e México as perdas com o que o mercado chama de ‘churn’ foram de R$ 800 milhões.

“Nos mercados latino-americanos analisados, o alto churn está tendo impacto direto no resultado final das operadoras. No ano passado, 100% dos gastos com aquisição de assinantes foram devotados à substituição sem que houvesse crescimento nos mercados do Brasil, Argentina e México. Esses custos de aquisição representaram 2,8% do Opex pré-pago e 1,6% da receita. As operadoras nesses mercados gastaram US$ 220 milhões para substituir clientes”, diz o relatório.

Elaborado pelas consultorias americanas Juvo e Strategy Analytics, o estudo se valeu de análises sobre o desempenho operacional e financeiro de 29 operadoras móveis nos três latinos já citados e também na Índia, Malásia, Filipinas, Tailândia e África do Sul. “Embora o pré-pago seja a forma dominante de conexão móvel, com 71% dos acessos globais, ou 5,7 bilhões, e 32% das receitas, ou US$ 265 bilhões (R$ 990 bi), esse é um espaço em que muito pouca pesquisa foi realizada”, diz o relatório.

A atenção com esse mercado específico faz todo sentido. Como mostra o estudo, a lucratividade é alta, com margens Ebitda das receitas de serviços do segmento pré-pago situando-se entre 40% e 50% nos latinos – beira os 55% na Malásia e na África do Sul. E está nos 40% no Brasil, segundo o relatório. No entanto, as taxas de churn são também consideradas altas, entre 3,1% e 5,2% por mês, apenas entre Brasil, Argentina e México – sendo de 5% no Brasil. Daí o índice que passa dos 60% ao ano. “Significa que, em média, as operadoras devem substituir totalmente sua base de assinantes pré-pagos a cada 21 meses”.


Internet Móvel 3G 4G
No Brasil, 60% dos celulares já são 4G

Planos pós-pagos, incluindo os tipo 'controle', continuam ganhando terreno e terminaram o mês de abril como modelo de pagamento de 45% dos acessos móveis em serviço.

Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

TIM quer infraestrutura única para cidades com menos de 30 mil habitantes

Para o CTIO da operadora, Leonardo Capdeville, não faz sentido infraestruturas diferentes em localidades onde a receita é mais baixa. CEO da TIM, Pietro Labriola, fala em IoT como fonte nova de receita.

Anatel mantém pente fino na recuperação judicial da Oi

Agência vai manter o grupo de trabalho criado para acompanhar a operadora. Também quer receber dados financeiros, fluxo de caixa atual, receitas e custos e financiamentos, além de eventuais alienações. Prazo dado à Oi para passar as informações é de 60 dias.

Uma em cada cinco conexões à internet fixa acontece por fibra óptica

Em 12 meses, proporção dos acessos registrados pela Anatel que usam a tecnologia passou de 12% para 20% do total. Cabo detém outros 30%. O Brasil contabiliza 6,33 milhões de acessos em fibra óptica. ISPs mostram força e já representam 21% do market share.

Smartphones puxam demanda global por carregadores sem fio

Segundo números da consultoria IHS Markit, em 2018 foram registrados embarques de 300 milhões de smartphones com essa tecnologia.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G