INOVAÇÃO

Ministério da Economia quer privatizar o financiamento à inovação

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/02/2019 ... Convergência Digital

O secretario de desestatizações do Ministério da Economia, Salim Mattar, voltou a defender publicamente a venda de todas as estatais brasileiras, com a possível exceção da Petrobras, do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. Daí a circulação de uma lista que inclui 131 empresas privatizáveis divulgada pela pasta, reforçada com a apresentação feita na véspera pelo secretário durante evento em Brasília.

No bolo, além de todas as empresas estatais de ligadas às tecnologias de informação e comunicações, como Serpro, Dataprev, Telebras e Ceitec, a relação inclui o próprio sistema de financiamento à inovação brasileiro, com a transferência ou liquidação do BNDES e especialmente da Financiadora de Inovação e Pesquisa, Finep.

Ainda sem uma definição de como modificar o incentivo à pesquisa via Lei de Informática, uma determinação da Organização Mundial do Comércio, a proposta de ficar sem o empurrão público tira a perna que incentiva a parcela de investimentos em pesquisa e inovação feita pelo setor privado – uma vez que no Brasil mais da metade dos aportes em P&D são feitos pelo Estado.

É certo que o sistema sofreu revés forte nos últimos anos. Se em 2014, a Finep chegou a desembolsar R$ 8,7 bilhões, em 2018 o valor ficou próximo de R$ 950 milhões. Consequência direta dos cortes orçamentários. Um ano antes, embora o Fundo Nacional para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico – a maior fonte do país para investimentos não reembolsáveis em tecnologia – tivesse arrecadado R$ 4,4 bilhões, só teve uso autorizado para R$ 920 milhões.

Segundo explicou o secretário Salim Mattar, cada ministério poderá decidir quais as empresas vinculadas que serão privatizadas. “Nós chamamos de estatais setoriais. Aquelas de outros ministérios como Correios, como a EPL, aquela do trem-bala. A decisão de privatizar essas empresas é do ministro. E eu fico aporrinhando os ministros para poder privatizar. Esse é o meu papel”, insistiu o secretário.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Biometria é o ‘empurrão do governo’ para aumentar a bancarização

Inclusão financeira passa por ações mais efetivas do governo, como aconteceu na Índia, afirmou  diretor-geral da Tata Consultancy Services no Brasil, Tushar Parikh.

Arquitetura distribuída: uma tendência que vai chegar ao Brasil

Na China, conta Daniel Leung, chefe de Fintechs e Arquitetura na Forms Syntron, ao trocar a arquietura tradicional pela distribuída, um banco ficou apto a suportar até 100 milhões de contas correntes.

Adarsh Kumar, Capgemini: open banking é transformador, mas dados pertencem aos clientes

O open banking vai mudar o modelo de serviços bancários, afirma o CTO e líder de cibersegurança para a América Latina da Capgemini.

Thales Teixeira, da Harvard: disrupção digital vai muito além da tecnologia

"Unidades de negócios podem se tornar desnecessárias em empresas estabelecidas, e o CEO terá de tomar decisões relevantes", adverte o professor Thales Teixeira, da Harvard Business School.

Bradesco: Next não vai 'matar' o banco tradicional

O diretor-presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, garante que os dois modelos de negócio irão conviver, mas admite que as agências físicas vão mudar de perfil. Também revela que o Next mira um público mais jovem.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G