Home - Convergência Digital

5G vai responder por 4,8% do tráfego móvel em 2022

Convergência Digital - Carreira
Por Roberta Prescott* - 19/02/2019

A tendência de explosão do tráfego móvel confirma-se a cada estudo divulgado. O cenário que se desenha mostra um ambiente com muitos mais usuários; aumento de dispositivos “máquina-máquina”  gerando cada vez mais conexões e a uma velocidade maior. Além disso, o vídeo tem impulsionado o tráfego móvel de dados em todo o mundo e, em especial, no Brasil.

Do ponto de vista de redes, 4G firma-se como a principal tecnologia, substituindo o 3G na medida em que a rede se torna obsoleta; enquanto 2G caminha para a sua extinção e  o 5G começa a surgir, entrando em produção em 2021 para chegar a 2022, com 3% de todas as conexões mundiais e respondendo por quase 12% do tráfego móvel global de dados. No Brasil, a projeção é de que haverá 4 milhões de conexões 5G em 2022 respondendo por 4,8% do tráfego móvel.  Esses são os resultados do  Mobile Visual Networking Index (VNI) 2019, divulgado pela Cisco, nesta terça-feira, 19/02.

Ao comentar sobre os dados do levantamento, Giuseppe Marrara, diretor de políticas públicas da Cisco, ressaltou que há pouco mais de dez anos, o tráfego móvel representava 5% do total e em 2022 será 20%, chegando a 930 exabytes por ano. “De cinco anos para cá, ele cresceu 17 vezes e, se contabilizar dez anos entre 2012 e 2022, o tráfego vindo de dispositivos móveis será 113 vezes maior”, destacou, apontando que, como não houve um aumento de 113 vezes no número de antenas, o suporte veio da otimização e da eficiência.

O estudo global da Cisco foi apresentado a jornalistas e analistas e mostra projeções sobre o consumo de dados da rede móvel entre 2017 e 2022. Segundo a atualização deste ano da previsão para o período de 2017 a 2022, o tráfego nas redes móveis terá quase atingido a taxa anual de 1 zettabyte ao fim do período analisado. Em 2017, havia 5 bilhões de usuários da rede móvel no mundo, mas, nos próximos cinco anos, esse número aumentará em 0,5 bilhão, atingindo a marca de 5,5 bilhões de usuários, cerca de 71% da população global. No Brasil haverá 177 milhões de usuários móveis (82% da população brasileira) em 2022, contra os 167 milhões de 2017.

Em comparação com o crescimento global, o Brasil terá um crescimento acumulado (compound annual growth rate — CAGR) levemente abaixo do mundial, 43% versus 46% entre 2017 e 2022, mas ainda assim é um avanço significativo. “No Brasil, o mais importante é como a banda larga móvel cresce 3,4 vezes mais rapidamente que a fixa”, destacou Marrara. Entre as regiões, Oriente Médio e África (MEA) registrarão um CAGR de 56%, acima das demais, mas que é justificado pela menor base, o confere um crescimento mais alto.

Redes

De acordo com o VNI, as velocidades médias globais das redes móveis mais que triplicarão, subindo de 8,7 Mbps em 2017 para 28,5 Mbps em 2022. A média de velocidade da rede móvel no Brasil deve ser de 19,7 Mbps em 2022 contra a média de 5,7 Mbps em 2017. As velocidades médias da rede móvel variam significativamente de acordo com a localização geográfica, à medida que a adesão ao 5G começa a se intensificar em algumas regiões. “O 2G puxa a média para baixo”, disse Marrara, explicando que à medida que as redes evoluem a média aumenta.

As redes 4G são as que mais crescem no Brasil e uma das razões para isto é que os valores de implantação de 3G e 4G são semelhantes, segundo Marrara. Em alta, as infraestruturas 5G e LPWA ganham evidência. Em 2017, globalmente, as redes Low-Power, Wide-area (LPWA) responderam por 1,5% das conexões em dispositivos móveis/M2M; o 2G representou 34% das conexões em dispositivos móveis/M2M; o 3G foi responsável por 30% das conexões em dispositivos móveis/M2M; e o 4G, por 35% das conexões em dispositivos móveis/M2M.
 
Até 2022, a Cisco projeta que, globalmente, as redes LPWA responderão por 14% das conexões em dispositivos móveis/M2M; o 2G representará 8% das conexões em dispositivos móveis/M2M; o 3G será responsável por 20% das conexões em dispositivos móveis/M2M; o 4G, por 54% das conexões em dispositivos móveis/M2M; e o 5G será 3% das conexões em dispositivos móveis/M2M (cerca de 422 milhões de conexões 5G globalmente).
 
A projeção para o Brasil é que em 2022, a redes LPWA responderão por 6,9% da conexões móveis; 2G por 7%; 3G por 16,3%; 4G por 68% e 5G por 1,2% das conexões móveis. “Quem morre é 2G e tem de morrer mesmo, porque consome muito espectro e gasta muita banda. Ou seja, não é econômico, usa mal a frequência e é ruim em eficiência energética. Quem mantém 2G vivo hoje é a máquina de comunicação [dos cartões], machine to machine; e isto está estendendo a sobrevida de 2G, mas é questão de tempo”, pontuou.

O executivo explicou que hoje construir uma rede 3G ou 4G custa praticamente o mesmo. “Do ponto de vista da operadora, vejo que ela vai deixar a rede 3G até o fim da vida útil e o grosso do que está sendo implementado é 4G. As operadoras estão comprando rádio 4G, mas o rádio tem uma vida útil de oito anos tipicamente, não mais que isto. Então, se compra o rádio 4G hoje, porque sabe que vai monetizar nestes anos. Já nas áreas de concentração de borda e núcleo de rede, colocar roteador que está no limite não faz sentido, pois capacidade é importante”, explicou. A tendência é que na infraestrutura após a antena as operadoras vão apostar em equipamentos que possam atender à evolução das redes e suportar mais tráfego, com segurança e capacidade de análise.  

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

12/06/2019
Ericsson: adoção do 5G será ainda mais rápida do que foi a do 4G

10/06/2019
Tratores autonômos são a realidade do agronegócio com o 5G

07/06/2019
GSMA: Sem os chineses, custo do 5G na Europa vai crescer US$ 62 bilhões

06/06/2019
Bloqueada nos EUA, Huawei anuncia acordo com a Rússia para 5G

06/06/2019
5G será o último 'G', decreta Vodafone

03/06/2019
5G é trunfo da Amazon na sua disputa com a Microsoft

28/05/2019
Números da Coreia do Sul mostram que consumo de dados triplica com 5G

24/05/2019
Qualcomm: Banda milimétrica exigirá que cada operadora tenha de 400 Mhz a 800 Mhz

24/05/2019
Leilão 5G na Alemanha já supera 6 bilhões de euros

24/05/2019
Huawei: Brasil não está atrasado para o 5G

Destaques
Destaques

Para injetar R$ 200 bilhões na economia, IoT tem de ficar livre das amarras tributárias

Relator da proposta de tributo zero para Internet das Coisas, deputado Eduardo Cury, do PSDB/SP, disse que o setor precisa municiar o Parlamento com dados para convencer à Casa a conceder a desoneração.

5G exige muito espectro para entregar tudo que se espera da tecnologia

Anatel, indústria e teles sustentam que a nova onda tecnológica só vai atender as demandas esperadas se tiver frequência suficiente para melhorar os serviços.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

O potencial pouco explorado da Internet das Coisas

Por Daniel Kriger*

A grande mudança que a Internet das Coisas (IoT – Internet of Things) trará para a vida das pessoas está além da facilidade de se preparar um café, programar um banho quente ou economizar na conta de luz. Dar conectividade a objetos e abrir espaço para comandos inteligentes em inúmeras tarefas do dia a dia é um dos principais propósitos de IoT. Mas não é só isso.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site