TELECOM

Huawei: fornecedor não define política nem regra de uso da solução

Ana Paula Lobo* ... 25/02/2019 ... Convergência Digital

Não cabe à Huawei definir ou aplicar políticas ou legislações. Aos fornecedores, afirmou o vice-presidente da área de setor govenamental e utilities públicas da Huawei Enterprise, Edwin Diender, ao responder sobre as questões de segurança que envolvem os produtos da fabricante chinesa.

Para jornalistas brasileiros, no Mobile World Congress, que acontece esta semana, em Barcelona, na Espanha, Diender foi taxativo ao responder que a Huawei não usa backdoor(espionagem) em seus produtos. "Não, não usamos backdoor. Nossa preocupação de segurança é semelhante a de qualquer provedor de tecnologia. Nós fazemos a solução, testamos e a entregamos para quem compra, que define a configuração", sustentou.

Já sobre dados pessoais e privacidade, Edwin Diender, disse ao Convergência Digital, que a preocupação é obrigatória e o momento é o de se adaptar às novas regras. Diender admitiu que novos modelos de negócios estão surgindo por conta de serviços como o de reconhecimento facial, mas a implantação da tecnologia depende das regras estabelecidas pelas políticas públicas governamentais. "A plataforma é a mesma para todos os países, a solução existe, mas temos de adequar às regras de uso dos países", completa Diender. Assistam ao vídeo com Edwin Diender sobre privacidade de dados.

* Ana Paula Lobo viajou a Barcelona a convite da Huawei Brasil


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Consumidores reclamam de proposta da Anatel que reduz conselho de usuários

Idec e Coalizão Direitos na Rede apontam que novo regulamento do Cdust prevê apenas um conselho nacional por operadora, no lugar dos 30 regionais atuais. E que agência suspendeu eleição com 300 mil votos. 

Projeto que torna roaming obrigatório passa na CCT da Câmara

Medida, que na prática já é prevista em leilões de espectro, vale somente para Vivo, Claro, Tim e Oi. 

STF nega recurso e TIM vai pagar multa de R$ 1 milhão por “Ilimitado” e “Liberty”

Em ação iniciada ainda em 2012, Ministério Público do DF reclamou de publicidade enganosa e restrições unilaterais nos contratos. Em nota, TIM “reitera o compromisso com a transparência das suas ofertas de planos e serviços”. 

Bolsonaro: Nova Lei de Telecom é uma oportunidade ímpar de mudar o Brasil

Governo realizou uma solenidade no Palácio do Planalto para marcar a sanção do novo marco legal. Ministro Marcos Pontes e representantes do setor participaram da cerimônia.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G