Home - Convergência Digital

Argentina cria Escola de Cobol para formar novos profissionais

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 23/04/2019

O HSBC Argentina estabeleceu uma parcería estratégica com a Stefanini, com objetivo de preparar profissionais qualificados em COBOL que, no futuro, possam atuar junto às principais equipes do banco.

O projeto “Escuela de COBOL” (Escola de COBOL) foi desenvolvido pelas empresas durante um ano e nove meses – ao longo de 2017 até o final de 2018, e teve quatro fases: seleção de potenciais candidatos, a cargo da Stefanini, para atender às expectativas do HSBC (1ª fase); capacitação e treinamento em linguagem COBOL, conforme cronograma estabelecido pelo banco (2ª fase); alocação de recursos nos escritórios do HSBC, sendo o banco responsável por gerenciar o esquema de trabalho dos profissionais, de acordo com as tarefas definidas em conjunto com Stefanini (3ª fase); controle das atividades, feedback, realização de ajustes necessários, avaliação de desempenho, formação dos profissionais em sinergia com o negócio e ampliação da senioridade da equipe (4ª fase).

Segundo Damian Mendez, country manager da Stefanini na Argentina e Peru, a parceria permitiu a formação de jovens profissionais. “Como a linguagem COBOL não é mais ministrada nas Universidades, nossa meta era estimular o aprendizado da programação nas novas gerações”, explica o executivo. Toda a fase de implementação do projeto foi acompanhada de perto pela equipe da Stefanini Latam, que, segundo o banco, soube interpretar as principais demandas e trabalhar de maneira colaborativa para atingir os resultados esperados.

“Existe uma demanda no sistema financeiro por profissionais treinados em tecnologias mais antigas como o COBOL. Recrutar esse tipo de perfil tornou-se um grande desafio para a indústria. Por meio dessa iniciativa, conseguimos formar 10 jovens, fornecendo novas ferramentas que contribuíram para uma formação acadêmica mais abrangente, diz Fabio Venditti, Head of Core Banking do HSBC Argentina.

De acordo com o HSBC, oito novos profissionais foram facilmente integrados às equipes de trabalho. “Agora estamos renovando o serviço para manter uma incorporação progressiva na medida em que novas vagas surjam para os profissionais especializados em COBOL”, acrescenta Fabio Venditti.

Marcelo Ciasca, CEO da Stefanini Latam, acredita que um dos principais fatores de sucesso foi a definição de um trabalho colaborativo desde o início, que estabeleceu as diretrizes, os treinamentos e acompanhamento de todos os profissionais com uma reunião mensal entre eles. “A iniciativa reforça o DNA da Stefanini de conhecer o negócio do cliente e oferecer soluções personalizadas que possam solucionar seus principais desafios. Queremos ampliar a nossa parceria com novas ofertas e resultados cada vez mais promissores”, finaliza.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

23/04/2019
Argentina cria Escola de Cobol para formar novos profissionais

31/01/2018
Mainframe atrai profissionais com menos de 30 anos no Brasil

07/11/2016
Mainframe morreu? Esquece! Ele ressurge na transformação digital

20/06/2016
Em tempo de crise, COBOL fica mais vivo do que nunca

25/07/2014
No Brasil, maioria das empresas não tem documentação original dos mainframes

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

TICs vão demandar 700 mil novos profissionais na Indústria em cinco anos

Dados são do Mapa do Trabalho Industrial, feito pelo SENAI, que indicam ainda a urgência na qualificação de 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais por conta da indústria 4.0. Um dos especialistas em alta é o condutor de processos robotizados, com um incremento de 22% no número de vagas.

Técnicos são os que mais procuram especialização em Big Data

Cursos voltados para desenvolvimento Full Stack e Segurança Cibernética também são bastante demandados. No caso do big data, dos alunos formados nesta área, 45% possuem mais de 10 anos de experiência (sênior); 36% até nove anos (pleno) e 19% até três anos (recém-formados).

Agile reescreve a carreira do desenvolvedor de software

Ao mudar a entrega dos serviços – quebrando a prática dos longos projetos –, a metodologia também exige novos profissionais.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site