Home - Convergência Digital

Embratel, Claro, Embrapa e Eldorado estão à frente do projeto de IoT Fazenda Conectada

Convergência Digital - Carreira
Da redação - 02/05/2019

A Embratel, a Claro, a Embrapa Meio Ambiente e o Instituto Eldorado anunciam acordo para a concepção de novas soluções voltadas ao agronegócio brasileiro. A parceria prevê a união das expertises da Embratel, da Claro e das instituições de pesquisa em redes de comunicação, Cloud Computing, setor agrário e pesquisa e desenvolvimento, para a criação de soluções de Internet das Coisas (IoT). As ofertas utilizarão novas tecnologias de sensoriamento e conectividade para auxiliar o produtor rural na tomada de decisões.

“O agronegócio brasileiro é um importante contribuinte para o PIB nacional e um setor estratégico para a Embratel”, explica Eduardo Polidoro, Diretor de Negócios de IoT da Embratel, lembrando que as soluções irão levar mais produtividade e redução de custos para o segmento, que ainda está em fase inicial de transformação digital.

A partir da parceria, será realizado o projeto Fazenda Conectada, no Condomínio Inovar, nas dependências da Embrapa Meio Ambiente, em Jaguariúna (SP), que disponibilizará áreas de experimentação, como plantações, laboratórios e estufas para a realização de demonstrações, visitas e reuniões com potenciais clientes. Nesses espaços, serão testados e validados novos dispositivos, software e  soluções de conectividade com diferentes aplicações fundamentais para o desenvolvimento do campo, com toda infraestrutura de rede celular da Embratel/Claro (2G, 3G e 4,5G) e as novas redes de IoT (NB-IoT e CAT-M). A Embratel fornecerá também ambiente de Cloud Computing para a concepção das inovações.

O projeto Fazenda Conectada prevê a atuação em plantação de soja monitorada com sensores conectados, assim como em plantios de café, milho, cana-de-açúcar e sorgo. Por meio do uso de novas tecnologias de sensoriamento, conectividade e Analytics, será possível coletar informações precisas e em tempo real sobre os cultivos, ajudando no controle e no diagnóstico de medidas necessárias para a irrigação e pulverização inteligentes, por exemplo, contribuindo para o aumento da produtividade e eficiência, e na redução de custos.

As novas soluções permitirão a comunicação em longas distâncias com baixo consumo de energia e alta confiabilidade. As aplicações são ilimitadas, e usadas desde o sensoriamento do solo,  a previsão do tempo com estações meteorológicas instaladas localmente, o uso racional da água, em conexão de máquinas e implementos agrícolas, e rastreamento e localização dos mais diversos equipamentos.


 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

10/09/2019
Anatel ajusta regras de IoT, mas tributo ainda é maior barreira

02/09/2019
Rede IoT da American Tower envia mais de 7 milhões de mensagens por dia

19/08/2019
Anatel faz audiência pública sobre redução de barreiras à IoT

16/08/2019
Agro 4.0 passa por recursos vindos da aprovação do PLC 79/16

14/08/2019
5G e Internet das Coisas são prioridades para os países do BRICS

08/08/2019
Varejo aposta em eletrônicos com inteligência artificial

05/08/2019
Brasil chega a 22,21 milhões de dispositivos IoT

02/08/2019
MCTIC vai aportar R$ 8 milhões em projetos para internet das coisas

01/08/2019
Anatel abre debate sobre regras para reduzir barreiras à internet das coisas

31/07/2019
Escassez de talentos e complexidade travam projetos de Internet das Coisas

Destaques
Destaques

Na América Latina, 33% da população ainda não têm acesso ao celular

Estudo global da GSMA mostrou ainda que, em 2018, 31 milhões de empregos, entre diretos e indiretos, foram criados pela economia móvel, que gerou US$ 3,9 trilhões, ou R$ 15,8 trilhões. O 4G se tornou o padrão da telefonia móvel.

Smartphones receberam seis tentativas de ataques por minuto na América Latina

O Brasil é o país que lidera esse tipo de ataque, especialmente por meio do adware.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site