TELECOM

Em renúncia, conselheiro da Oi critica estratégia e pede novo aporte de credores

Luís Osvaldo Grossmann ... 04/06/2019 ... Convergência Digital

Ainda às voltas com a recuperação judicial, a Oi anunciou na noite de segunda, 3/6, a renúncia do membro independente do Conselho de Administração Ricardo Reisen de Pinho, que deixa a empresa clamando os credores a injetarem novos recursos e com críticas à nova estratégia comercial que vem sendo desenhada por duas consultorias e pelo Bank of America.

“É fundamental questionar as razões e interesses econômicos, e mesmo político-sociais, que sustentam a existência da estratégia a ser proposta, desafiando e testando alternativas, mesmo que apenas no plano teórico. Não basta apenas descrever o ‘como’, mas também explicar o ‘porquê’, afirma Pinho na carta de três páginas que acompanha o pedido de renúncia.

Nela, Pinho alega motivo de foro íntimo para deixar a empresa e defende a atuação dos demais conselheiros e da gestão executiva da ‘supertele’, destacando o presidente Eurico Teles Neto e o diretor financeiro Carlos Augusto Brandão “pelo trabalho, diligente, impar e irretocável, desenvolvido sempre em prol do melhor interesse da Companhia”. Também destaca a importância da aprovação do plano de recuperação que “implicou em substanciais sacrifícios” mas que permitiu ser “mantida a função social para a qual a Companhia foi estabelecida”.

O tom da carta, no entanto, é de ressalvas ao que chama de novo ciclo. “A discussão de alternativas estratégicas ou táticas tais como, a extensão da RJ como forma de proteção legal à Companhia por mais um período ou, o aporte, de agora sim, novos recursos de fato por parte dos acionistas, são alternativas a serem exaustivamente exploradas e justificadas. A última é particularmente um interessante exercício para testar a falácia da entrada recente de, assim chamados, novos recursos, uma vez que o aporte de cerca de R$4 bilhões era parte inerente do PRJ, sem os quais todos os stakeholders perderiam suas posições, com todos portanto, já tendo ajustado seus retornos financeiros para tal evento. Com relação e este último ponto, vale destacar que os principais bondholders/acionistas backstoppers se remuneraram por tal fato, bem
como todos os acionistas que aportaram recursos viram seu capital apreciar cerca de 30% no período.”

Para o conselheiro que sai, “um aporte de capital como parte da estratégia demonstraria o interesse genuíno dos acionistas de reforçar o volume de investimento da Companhia, respaldando assim uma estratégia de longo prazo a ser proposta de forma independente pelo Conselho. Indo além, também ampliaria de forma diferenciada e significativa a capacidade da Oi de melhor se engajar em eventuais tratativas estratégicas com terceiros em um horizonte de menor prazo, criando assim uma maior propensão a captura de valor para si.”

“Para que este movimento tenha pleno êxito, é importante ressaltar que a simples criação de uma estratégia não é condição suficiente para atingir tal objetivo. Concomitantemente, é necessário reforçar a capacidade de execução da Companhia, desenvolver e atrair lideranças afeitas a situações complexas, e saber comunicar de forma adequada seu público externo e interno ações que podem impacta-los. Fundamental estar permanentemente atento a conflitos de interesses diversos, comunicar fatos e eventos de maneira equânime a todos os acionistas, e buscar uma resultante que seja, no mínimo, neutra para credores. O último ponto é de especial atenção por esta ser ainda uma Companhia em RJ, com seus credores tendo poucas ou remotas possibilidades de gerar um evento de liquidez para seus créditos”, conclui Ricardo Pinho.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Anatel simplifica e zera custo para homologar produtos de Telecom

"A isenção da taxa é imediata e vale para todos os produtos homologados pela Anatel – inclusive radioamadores, drones e produtos importados para uso do próprio usuário”, disse o presidente da Agência Reguladora, Leonardo Morais.

Anatel: Tirando Oi, Telefônica, Claro, TIM e Sky todas as demais são pequenas prestadoras

Critério mudou de 50 mil acessos para 5% de cada mercado relevante, telefonia fixa e móvel, internet e TV paga.  Definição permite a isenção de uma série de obrigações regulatórias.

Acordo entre Enel e teles tenta novo mutirão de ‘limpeza’ dos postes em SP

Meta de limpar 1,8 mil postes até dezembro foi acertada com Vivo, Claro, TIM, Oi e Telcomp e o Procon-SP. 

Teles fazem campanha por conta digital sem papel

Segundo Sinditelebrasil, 76 milhões de clientes ainda recebem faturas impressas todos os meses – em média, 152 milhões de folhas. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G