TELECOM

Com Netflix embarcada, TIM quer fechar gap e ganhar protagonismo no pós-pago

Ana Paula Lobo e Pedro Costa ... 04/06/2019 ... Convergência Digital

O usuário pós-pago é prioridade da TIM Brasil e o TIM Black Family, novo produto da TIM Brasil, lançado nesta terça-feira,04/06, e que tem,entre outras coisas, o atrativo incluir assinaturas dos serviços Netflix, Deezer (streaming de música) e TIM Banca Virtual (com assinatura de mais de 100 títulos, incluindo Época, Veja e IstoÉ) como parte da oferta.

Também embute asete dias de acesso WhatsApp gratuito no exterior e ofertas de planos de 60 Gb a 180 Gb, com preços variando de R$ 270 para dois dependentes e 60 GB (nesse caso o Netflix não está incluído) a R$ 499 para cinco dependentes e 180 GB de franquia. Mas a TIM adverte que o consumo de dados da Netflix é reduzido da tarifa de dados contratado.

"Temos a convicção que os pacotes dão condições do usuário ver a Netflix de forma muito tranquila", diz Ciuchini, em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital. O diferencial do TIM Black Family é ser um hub de entretenimento. "Associamos gigabytes a conteúdo, com um atendimento diferenciado", acrescenta o executivo.

Segundo ainda Ciuchini, o usuário quer ir além da conectividade. Com relação ao desconto dos dados da franquia da Netflix, o executivo assegura que o usuário não tem essa percepção. O VP de Marketing afirma ainda que com o TIM Black Family, a TIM fecha um gap na sua oferta para ganhar um protagonismo no segmento pós-pago. Assistam a entrevista com Renato Ciuchini.


Internet Móvel 3G 4G
2021 será o ano do salto do 5G

E em apenas dois anos, eles vão representar mais da metade - 51% - das vendas de smartpohones, aponta o Gartner.  No Brasil, ao Estadão, o conselheiro Vicente Aquino, sem dar detalhes, diz que o Governo vai arrecadar R$ 20 bilhões com a venda das licenças, previstas para março de 2020.

Veja edição 12 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 12
Especial 20 Anos de Internet no Brasil


Há 20 anos os provedores de Internet escrevem suas histórias no País. A trajetória não foi nada fácil. Houve decisões políticas e econômicas significativas. Infraestrutura, modelo de negócios e fidelização de clientes foram relevantes no passado e continuam sendo no presente. Ao longo de duas décadas, os ISPs tiveram de se reinventar diversas vezes para não deixar de existir.

Clique aqui para ver outras edições

Começa a valer cadastro que bloqueia telemarketing das teles

A partir deste 16/7, será possível inscrever números no cadastro ‘Não Me Perturbe’. Promessa da Anatel é que em 30 dias os inscritos não receberão mais chamadas promocionais das operadoras de telecom.

Imposto zero para IoT está na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara

Deputado Federal, Paulo Ganime (Novo/RJ), diz que o projeto de Lei 7656/2017, corrige uma distorção - a cobrança de FISTEL para os dispositivos IoT.

Governo autoriza aumento de capital da Telebras de R$ 1,17 bilhão

Montante é reflexo dos aportes autorizados em 2015, 2016, 2017 e 2018, quando a estatal estava ainda em acerto financeiro do satélite geoestacionário de defesa e comunicações. 

Comissão aprova prazo de seis meses para instalação de bloqueador de celular em presídios

Relator do projeto retirou o dispositivo que condicionava as novas outorgas de telecomunicação à instalação, ao custeio e à manutenção dos bloqueadores pelas prestadoras.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G