Home - Convergência Digital

Indústria de Informática corta empregos e fica mais concentrada

Luís Osvaldo Grossmann - 06/06/2019

A Pesquisa Industrial Anual, divulgada nesta quinta-feira, 6/6, pelo IBGE, aponta para um cenário de perda generalizada de empregos no setor fabril, em movimento ainda mais agudo no segmento específico de fabricação de produtos de informática, eletrônicos e ópticos. 

Entre 2008 e 2017, enquanto a indústria em geral perdeu 145 mil postos de trabalho, ou 2,4% do total, os cortes no setor de informática, eletrônicos e ópticos foi de 22,4%, no segundo pior impacto negativo do período analisado pelo IBGE, perdendo apenas para a fabricação de coque, derivados do petróleo e biocombustíveis, na qual o recuo chegou a 32,9%. 

De certa forma, a base de comparação não conta toda a tragédia do setor produtivo brasileiro. Isso porque o ano de 2008 foi o começo de um crescimento acentuado – naquele ano eram 7,84 milhões de trabalhadores industriais, contra os 7,69 milhões registrados em 2017. No caminho, no entanto, os postos de trabalho foram crescendo até 2013, quando chegaram a 9,02 milhões. 

Parte do motivo de fortes demissões no segmento de equipamentos de informática, eletrônicos e ópticos pode estar em outro número trazido pela pesquisa do IBGE. Esse setor foi o que registrou o maior índice de concentração na década analisada, passando de 33,9% para 49,1%, na avaliação da fatia de mercado detida pelas oito maiores empresas do segmento.

Ou, como explica o Instituto ao analisar os números da PIA, “nesse período, a principal mudança estrutural na concentração foi verificada na atividade de fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos, em que as oito maiores empresas passaram a representar metade da produção do setor”. 

No entanto, o setor aparece com destaque na avaliação do IBGE dos produtos e serviços industriais que mais ganharam posições no ranking a partir do valor de venda. Para fazer esse ranking, o Instituto analisa 3,4 mil produtos e serviços e separa os 100 com maior valor de venda – que juntos representam 52% do total.

No caso, o IBGE destaca as “peças e acessórios para máquinas para processamento de dados” como o segundo principal avanço (atrás de medicamentos), que ganharam 50 posições entre 2016 e 2017, e o valor de venda passando de R$ 2,8 bilhões para R$ 4,8 bilhões nesse período. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

29/09/2020
Para CNI, falta dinheiro no Brasil para a indústria 4.0

11/09/2020
TI puxa bom desempenho de Serviços em julho, diz IBGE

10/07/2020
Telecom, TV paga, satélite e cinema derrubam Serviços para pior nível desde 2011

04/06/2020
Produção de eletrônicos despenca 43,8%

12/05/2020
Na contramão dos Serviços, TI cresce 10,4% em março

04/05/2020
Sem os dados das teles, IBGE começa a fazer pesquisa sobre Covid-19

29/04/2020
Cai o número de lares no Brasil com PC, tablet e telefone fixo

29/04/2020
Celular é o meio de acessar à Internet em 99,2% dos domícilios

29/04/2020
No Brasil, 45,9 milhões de pessoas ainda não acessam a Internet

29/04/2020
TV Digital avança com troca de tubo por tela fina. Brasileiro aponta TV paga como 'cara'

Desafio nacional: identificar os dados efetivamente valiosos ao negócio

Pesquisa da IDC mostra que quase a metade companhias pesquisadas no Brasil admitiu ter dificuldade para encontrar talentos e recursos responsáveis pelas análises das informações.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Futuro sem aposentadoria – qual a saída?

Por luis Macedo*

O futuro financeiro nunca foi tão incerto. A aposentadoria "oficial", pelo INSS, fica cada vez mais distante para muitas pessoas, especialmente porque o mundo do trabalho mudou. Uma alternativa para uma parcela significativa da população que não tem carteira assinada são os fundos de previdência. O problema, no entanto, é a infinidade de fundos que existem.

Destaques
Destaques

Ministério Público: Teletrabalho exige direito à desconexão

Ministério Público do Trabalho elaborou uma nota técnica direcionada para as “empresas, sindicatos e órgãos da administração pública”.  Na orientação, sugere a adoção de etiqueta digital para orientação de patrões e empregados.

Dos 10% em teletrabalho no Brasil, maioria é branca, tem diploma e maior renda

Segundo o Dieese, 8,4 milhões de brasileiros trabalham de casa por conta da pandemia de Covid-19. Proporção chega a 22% dos trabalhadores em Brasília, mas não passa de 3% no Pará. 

Um em cada cinco servidores públicos será substituído por robô no Brasil

A Escola Nacional de Administração Pública estima que, por conta da Transformação Digital, a automação deverá substituir cerca de 100 mil postos de trabalho no Serviço Público Federal nos próximos cinco a 10 anos, sendo que a metade deles terá menos de 50 anos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site