Home - Convergência Digital

Indústria de Informática corta empregos e fica mais concentrada

Luís Osvaldo Grossmann - 06/06/2019

A Pesquisa Industrial Anual, divulgada nesta quinta-feira, 6/6, pelo IBGE, aponta para um cenário de perda generalizada de empregos no setor fabril, em movimento ainda mais agudo no segmento específico de fabricação de produtos de informática, eletrônicos e ópticos. 

Entre 2008 e 2017, enquanto a indústria em geral perdeu 145 mil postos de trabalho, ou 2,4% do total, os cortes no setor de informática, eletrônicos e ópticos foi de 22,4%, no segundo pior impacto negativo do período analisado pelo IBGE, perdendo apenas para a fabricação de coque, derivados do petróleo e biocombustíveis, na qual o recuo chegou a 32,9%. 

De certa forma, a base de comparação não conta toda a tragédia do setor produtivo brasileiro. Isso porque o ano de 2008 foi o começo de um crescimento acentuado – naquele ano eram 7,84 milhões de trabalhadores industriais, contra os 7,69 milhões registrados em 2017. No caminho, no entanto, os postos de trabalho foram crescendo até 2013, quando chegaram a 9,02 milhões. 

Parte do motivo de fortes demissões no segmento de equipamentos de informática, eletrônicos e ópticos pode estar em outro número trazido pela pesquisa do IBGE. Esse setor foi o que registrou o maior índice de concentração na década analisada, passando de 33,9% para 49,1%, na avaliação da fatia de mercado detida pelas oito maiores empresas do segmento.

Ou, como explica o Instituto ao analisar os números da PIA, “nesse período, a principal mudança estrutural na concentração foi verificada na atividade de fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos, em que as oito maiores empresas passaram a representar metade da produção do setor”. 

No entanto, o setor aparece com destaque na avaliação do IBGE dos produtos e serviços industriais que mais ganharam posições no ranking a partir do valor de venda. Para fazer esse ranking, o Instituto analisa 3,4 mil produtos e serviços e separa os 100 com maior valor de venda – que juntos representam 52% do total.

No caso, o IBGE destaca as “peças e acessórios para máquinas para processamento de dados” como o segundo principal avanço (atrás de medicamentos), que ganharam 50 posições entre 2016 e 2017, e o valor de venda passando de R$ 2,8 bilhões para R$ 4,8 bilhões nesse período. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

04/06/2020
Produção de eletrônicos despenca 43,8%

12/05/2020
Na contramão dos Serviços, TI cresce 10,4% em março

04/05/2020
Sem os dados das teles, IBGE começa a fazer pesquisa sobre Covid-19

29/04/2020
Cai o número de lares no Brasil com PC, tablet e telefone fixo

29/04/2020
Celular é o meio de acessar à Internet em 99,2% dos domícilios

29/04/2020
No Brasil, 45,9 milhões de pessoas ainda não acessam a Internet

29/04/2020
TV Digital avança com troca de tubo por tela fina. Brasileiro aponta TV paga como 'cara'

16/04/2020
Pesquisa de inovação mostra investimento baixo e falta de política pública

15/04/2020
Metade da indústria eletroeletrônica parou por conta do coronavírus

08/04/2020
Telecom e TI derrubam setor de serviços em fevereiro

SAS Institute oferece 50% de desconto em julho em cursos voltados a análise de dados

Quer aprender a tirar o melhor proveito do seu dado? Aprenda como tirar insights para o seu negócio. Entre os cursos com desconto estão 'descomplicando os dados através de relatórios' e 'entendendo e tirando valor dos dados usando códigos SAS'

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Seis dicas para formar uma equipe de trabalho resiliente

or Craig Mackereth*

Formar uma equipe ou força de trabalho resiliente não é tarefa que se execute da noite para o dia. Tampouco é possível tornar uma equipe verdadeiramente resiliente se isso ainda não estiver integrado ao DNA da empresa.

Destaques
Destaques

Teletrabalho: medo de perder emprego cria obrigação de ficar 100% online

Pesquisa do LinkedIn aponta que 68% dos brasileiros têm trabalhado de uma a quatro horas a mais por dia por conta de estarem em home office. Maior parte reclama de ansiedade e estresse. Maioria também reclama da ausência dos colegas de trabalho, mas 43% se sentem mais produtivos com o trabalho remoto.

TST suspende demissões na Dataprev enquanto durar crise da Covid-19

Trabalhadores alegaram que os prazos acordados no fim da greve não terão como ser integralmente cumpridos diante da situação emergencial com a epidemia do coronavírus. 

TST: Teletrabalho tem de respeitar os contratos vigentes

Corte aponta, no entanto, que em situações emergenciais, como a atual crise da Covid-19, a adoção da jornada online temporária prescinde formalização, mas deve respeitar leis trabalhistas. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site