INOVAÇÃO

Bradesco: Next não vai 'matar' o banco tradicional

Por Roberta Prescott ... 11/06/2019 ... Convergência Digital

O banco digital do Bradesco, o Next, não vai substituir a operação tradicional. "Existe espaço para os dois modelos de negócio e temos a preocupação, na área de inteligência, de embarcar [no tradicional] as novidades tecnológicas que testamos no mundo digital", explicou Octavio de Lazari Junior, diretor-presidente do Banco Bradesco, durante palestra no CIAB Febraban, congresso de tecnologia da informação para instituições financeiras que ocorre de 11 a 13 de junho, em São Paulo.

Lazari Junior acrescentou que as agências físicas vão, sim, mudar de perfil e enfatizou que o Next foca em um público mais jovem, das novas gerações. "O Next vem para o público dos millennials, que querem jornada nova, que têm preocupação não com o produto, mas com a experiência que vão ter, por exemplo, chamando Uber pelo Next ou encomendando comida", disse, completando que o Next está ativando quase nove mil novas contas por dia, somando atualmente 1,5 milhão de clientes. "Aproveitar os ensinamentos do Next para o banco incumbente foi a maior sabedoria."

O diretor-presidente do Bradesco explicou como uma arquitetura de TI adaptável foi essencial para levar a cabo o projeto do Next para permitir a integração com diversos parceiros que se conectam com o banco por meio de interface de programação de aplicativos (APIs, na sigla em inglês para application programming interface). O Bradesco também faz uso da metodologia ágil. "Houve uma evolução no jeito de pensar e fazer: de produtos para o cliente para experiência para o cliente, para que o banco seja realizador de sonhos", resumiu.

Ele destacou que open banking é inevitável, mas deve resguardar as questões de segurança. "Open banking é sempre desejável pelo quanto você pode fazer, mas tem sempre de preservar e se preocupar com as características de segurança, porque sabemos quantos ataques sofremos por dia. Então, tem de tomar os devidos cuidados de segurança, com critério e validação nas nossas plataformas", pontuou.

Acerca da presença do Bradesco fora do Brasil, Lazari Junior afirmou que a aquisição do BAC Florida Bank, nos Estados Unidos — a operação foi anunciada em maio por US$ 500 milhões —, servirá de base para a expansão no segmento de private bank nos EUA.

"O BAC nos chamou muito a atenção, porque, além de ser plataforma de private bank estruturada, tem estrutura de atendimento de broker, de mortgage, e tem banco digital muito arrumadinho que faz captação de investimentos em 49 Estados dos EUA. Podemos crescer muito com ele a partir de uma plataforma única em Miami. Mas fazer banco de varejo nos EUA nem pensar", disse. O BAC Florida vem oferecendo, a partir da Flórida, por 45 anos, diversos serviços financeiros nos EUA, com destaque para pessoas físicas de alta renda não-residentes.


Cloud Computing
Com quórum, CADE retoma processo milionário contra IBM por compra da Red Hat

Processo administrativo contra a IBM foi aberto no final de junho e multa pode chegar a R$ 60 milhões. IBM também enfrenta uma renegociação de contratos com o governo federal. Corte sugerido nos contratos é o mesmo da Microsoft: 35%.

Maganine Luiza abre concurso para escolher startups

Rede varejista está com inscrições abertas para o seu primeiro pitch day de serviços digitais. "Queremos todos os tipos de startups", avisa a gerente do Magazine Luiza, Juliana Silva.

Só a inovação tira o Rio de Janeiro da estagnação econômica

A afirmação é do presidente do TI Rio, Benito Paret. Segundo ele, o Estado do Rio de Janeiro tem de buscar novos caminhos e eles passam pela inovação.

Petrópolis terá sensores IoT para prevenção de enchentes

Iniciativa é um projeto-piloto de cidades inteligentes, em parceria com o BNDES e com a ENEL, e começa a ser implantado no começo de 2020, revela o secretário de Desenvolvimento do município, Marcelo Fiorini. "Política pública não pode ser projeto político. Ela é de longo prazo", observa o executivo.

Startup cria software para detectar interações perigosas entre máquinas e homens

Até então incubada na UFF, no Rio de Janeiro, a Displace desenvolveu um software para proteger o homem na rotina da indústria 4.0. A ideia atraiu a atenção de grandes empresas, entre elas, a Ambev.

Finep tem crédito de R$ 200 milhões para projetos de indústria 4.0

Linha vai apoiar projetos em internet das coisas, big data, computação em nuvem, segurança digital, robótica avançada, manufatura digital e aditiva, inteligência artificial e digitalização.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G