Home - Convergência Digital

Agile reescreve a carreira do desenvolvedor de software

Convergência Digital - Carreira
Por Fábio Barros - 14/06/2019

Quando surgiu, a metodologia Agile revolucionou o setor de desenvolvimento de software, que abandonou os longos projetos em favor das entregas de resultados em períodos mais curtos. Com o tempo, a prática de quebrar grandes projetos em pequenas e rápidas entregas se espalhou para outras áreas, e isso está impactando tremendamente o mercado de trabalho. Este foi um dos temas debatidos na terça-feira, 11, durante o CIAB Febraban 2019.

O CEO e cofundador da ZUP, Bruno Pierobon, lembrou que um dos impactos mais evidentes disso é a busca pela velocidade. As empresas hoje buscam velocidade de aprendizagem, que lhes permita saber o que fazer ou não antes de seus concorrentes. Por conta disso, o executivo acredita que, em dez ou vinte anos, todas as empresas serão de tecnologia. “É preciso entender isso para competir no futuro”, provocou.

A primeira mudança, segundo o executivo, virá no modelo operacional das empresas, em que os funcionários deixarão de executar funções para pensar e entregar valor. É a organização por fluxo de valor, em que os times serão responsáveis por esta entrega e, para isso, serão necessários profissionais com novas habilidades.

“Isso significa mudança nas carreiras. O profissional precisa entender que o sucesso da carreira depende do sucesso do fluxo de valor”, explicou Pierobon, lembrando que estes profissionais deverão se preocupar não apenas com sua função, mas com toda a entrega. Aqui entram habilidades que já vêm sendo discutidas no mercado: habilidade de cooperação, colaboração, comunicação, capacidade analítica e, claro, algum conhecimento de tecnologia.

Neste ponto, o executivo acredita que o Brasil sai atrás do restante no mundo, já que estas habilidades estão mais presentes nas formações de Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática. “Hoje, apenas 17% dos formandos brasileiros são destas áreas. No ano passado, foram 170 mil, contra seis milhões na China”, comparou, justificando a existência de desemprego no País com tantas vagas especializadas em aberto.

Concorrência

Outro resultado dessa transformação é a concorrência pelos poucos profissionais restantes. Hoje, empresas de todos os setores disputam os bons profissionais que demonstrem estas habilidade. “A concorrência é feroz. Precisamos estar constantemente formando pessoas dentro da empresa e em todos os níveis”, disse Rodolfo Linhares, diretor de Serviços de Modernização de Aplicações em Nuvem da IBM.

Justamente para compensar eventuais perdas – e manter o time atualizado –, Linhares defendeu que os processos de aprendizagem sejam contínuos. Mas só isso não basta. “É preciso também gerar valor constantemente para os clientes. Só assim os profissionais se sentem engajados. Eles veem o propósito e o valor que o seu trabalho gera”, enfatizou.

No caso do Banco do Brasil, esse processo é mais complexo, já que as contratações só se dão por concurso público. O gerente executivo da diretoria de Tecnologia do BB, Marcio Mota Teixeira, lembrou que a instituição vem procurando mudar a postura de seus profissionais. “Não podemos mais ter profissionais que esperam ordens, que não sabem o que fazer”, afirmou.

Para Teixeira, essa nova postura exige propósito, vontade de encarar desafios e vontade de aprender o tempo todo. “Não estamos falando de transformação tecnológica, mas comportamental. Os bancos já entenderam isso e estão procurando se adaptar a esse movimento”, sublinhou.

No Itaú Unibanco, esse processo de transformação de postura já está em curso e começou pela própria instituição. O superintendente de Governança de Arquitetura, Processos e Práticas de TI do Itaú Unibanco, Cecílio Cosac Fraguas, disse que durante um tempo o banco até conseguia contratar os profissionais certos, mas não conseguia retê-los.

“Descobrimos que eles queriam se sentir em casa, queriam poder experimentar, se comunicar”, lembrou. Como resultado, o banco adotou pequenas mudanças que, de acordo com o executivo, fazem toda a diferença para estes profissionais, como eliminar o dress code e permitir acesso à internet e a redes sociais.

“A transformação digital é uma jornada e tem três grandes pilares: é preciso melhorar a infraestrutura de aplicações; é preciso melhorar o ambiente de trabalho, que deve favorecer a comunicação; e é preciso entender como as pessoas se relacionam com esses dois outros pilares”, defendeu.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

29/08/2019
Banco Central controla pagamentos instantâneos

28/08/2019
Sicredi acirra a guerra das maquininhas e avança sobre os MEIs

21/08/2019
BBTS quer ser cada vez mais uma empresa voltada à TI

02/08/2019
João Vagnes de Moura Silva é o novo presidente da BB Tecnologia

01/08/2019
TecBan promete oferecer pagamento instantâneo até o final do ano

03/07/2019
Bancos tradicionais sentem no bolso o impacto das fintechs e bancos digitais no crédito

02/07/2019
Natura avança para pagamento instantâneo atenta ao Open Banking

28/06/2019
BBTS cria plataforma com monitoramento, biometria, QR Code e reconhecimento facial

28/06/2019
Serviços de voz estão mais vivos do que nunca na jornada digital

28/06/2019
Febraban: o céu é o limite para modelos de negócios com blockchain

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Seis dicas para formar uma equipe de trabalho resiliente

or Craig Mackereth*

Formar uma equipe ou força de trabalho resiliente não é tarefa que se execute da noite para o dia. Tampouco é possível tornar uma equipe verdadeiramente resiliente se isso ainda não estiver integrado ao DNA da empresa.

Destaques
Destaques

TST suspende demissões na Dataprev enquanto durar crise da Covid-19

Trabalhadores alegaram que os prazos acordados no fim da greve não terão como ser integralmente cumpridos diante da situação emergencial com a epidemia do coronavírus. 

TST: Teletrabalho tem de respeitar os contratos de trabalho

Corte aponta, no entanto, que em situações emergenciais, como a atual crise da Covid-19, a adoção da jornada online temporária prescinde formalização, mas deve respeitar leis trabalhistas. 

Coronavírus: Teles advertem que sem equipes técnicas na rua, há risco para a rede

O SindiTelebrasil está alertando Estados e municípios sobre a necessidade e urgência em manter suas equipes técnicas e os call centers em operação, ainda que de forma reduzida, para garantir a conectividade e como medida essencial.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site