INOVAÇÃO

Arquitetura distribuída: uma tendência que vai chegar ao Brasil

Por Roberta Prescott e Carlos Afonso ... 17/06/2019 ... Convergência Digital

As empresas encontram benefícios ao migrar de uma arquitetura tradicional para uma distribuída, conforme explicou Daniel Leung, chefe de Fintechs e Arquitetura na Forms Syntron, em entrevista à CDTV, durante o CIAB Febraban 2019, realizado de 11 a 13 de junho, em São Paulo.

Segundo ele, uma das principais proposições de valor da arquitetura distribuída é implementar e gerenciar as aplicações nas camadas de software e hardware, reduzindo custo, e também adicionar capacidade conforme a necessidade.

"Desta maneira, é possível minimizar os investimentos de entrada e esperar para ver como as aplicações se comportam antes de adicionar novas fontes", disse. Questionado sobre o estágio de adoção, Leung disse que já está observando a migração, principalmente, na China.

"Muitos bancos estão pensando nisto e têm estabelecido explorações e experimentações. Na China, [a arquitetura distribuída] já foi provada em um dos maiores bancos, e o design da arquitetura pôde suportar até 100 milhões de contas", afirmou. Assistam à entrevista com Daniel Leung.


Maganine Luiza abre concurso para escolher startups

Rede varejista está com inscrições abertas para o seu primeiro pitch day de serviços digitais. "Queremos todos os tipos de startups", avisa a gerente do Magazine Luiza, Juliana Silva.

Só a inovação tira o Rio de Janeiro da estagnação econômica

A afirmação é do presidente do TI Rio, Benito Paret. Segundo ele, o Estado do Rio de Janeiro tem de buscar novos caminhos e eles passam pela inovação.

Petrópolis terá sensores IoT para prevenção de enchentes

Iniciativa é um projeto-piloto de cidades inteligentes, em parceria com o BNDES e com a ENEL, e começa a ser implantado no começo de 2020, revela o secretário de Desenvolvimento do município, Marcelo Fiorini. "Política pública não pode ser projeto político. Ela é de longo prazo", observa o executivo.

Startup cria software para detectar interações perigosas entre máquinas e homens

Até então incubada na UFF, no Rio de Janeiro, a Displace desenvolveu um software para proteger o homem na rotina da indústria 4.0. A ideia atraiu a atenção de grandes empresas, entre elas, a Ambev.

Finep tem crédito de R$ 200 milhões para projetos de indústria 4.0

Linha vai apoiar projetos em internet das coisas, big data, computação em nuvem, segurança digital, robótica avançada, manufatura digital e aditiva, inteligência artificial e digitalização.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G