Home - Convergência Digital

Adriano Meira Ricci deixa o comando da BBTS

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 25/06/2019

O presidente da BBTS, Adriano Meira Ricci, está deixando o posto depois de aproximadamente um ano e meio à frente do braço de tecnologia do Banco do Brasil, em sua segunda passagem pela empresa. Mas se o período foi curto, os resultados são expressivos, alinha o executivo. “No primeiro trimestre de 2019 o resultado foi maior que todo o ano passado”, afirma. 

Depois de alguns adiamentos, Ricci vai se aposentar do BB, o que implica no seu desligamento da subsidiária de tecnologia da instituição. Segundo ele, o período valeu pela recuperação da motivação dos funcionários, refletida não apenas no resultado financeiro, mas na efetiva implementação do planejamento estratégico até 2023. 

No lado financeiro, Ricco ressalta que o resultado entre janeiro e março deste ano foi de R$ 13,6 milhões, acima dos R$ 12 milhões de todo 2018. “Fizemos uma redução muito forte de custos e um realinhamento de negócios deficitários, que eram seis e agora é apenas um. O resultado veio com a melhoria individual de cada negócio. Entregamos mais e recebemos mais, sendo que entregamos mais gastando menos”, avalia. 

Nesse caminho, a BBTS se prepara para ganhar mercado para além do Banco do Brasil. “Hoje, 99% do faturamento é com o BB. Mas nossa meta é chegar em 2023 com algo em torno de 30% de faturamento fora do Banco do Brasil. Já estamos fazendo um piloto com grandes bancos e empresa privadas, que estão avaliando nosso modelo de cobrança e recuperação de crédito, além da parte de telefonia e da segurança física, em negociações com dois grandes bancos”, revela Ricci. 

Segundo ele, a solução de software desenvolvida na BBTS garantiu ao Banco do Brasil uma redução de 20% dos custos com telefonia, enquanto a solução de segurança chegou a permitir uma queda de 40% nas despesas dessa área. São soluções já prontas para ir à mercado e que ele acredita terão anúncios de negócios antes do fim de 2019. 

“Vamos focar em TI. Não vamos deixar de fazer o BPO, mas queremos focar mais em TI. Atualmente BPO representa 82%, sendo o resto tecnologia. O que queremos, dentro daquele planejamento estratégico, é chegar em 50%-50%. estamos totalmente prontos”, afirma Adriano Ricci. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

21/02/2020
Prefeitura adota reconhecimento facial no Carnaval de São Paulo

21/02/2020
ABINEE: Situação é grave e tende a piorar com a falta de componentes

21/02/2020
Teles se juntam à Google em projeto que coloca antenas de celular na estratosfera

21/02/2020
LG segue Motorola e Samsung e suspende produção no Brasil

21/02/2020
Justiça livra Facebook na morte por linchamento provocado por Fake News

21/02/2020
Serpro: reconhecimento facial faz, em média, 2,6 milhões de validações por mês

21/02/2020
Consumidores cobram Anvisa sobre vazamento de dados de 1,9 mil pacientes

21/02/2020
Dataprev volta atrás nas demissões e prevê cessão de trabalhadores ao INSS

20/02/2020
Governo inclui pacote de dados em pregão unificado de telefonia móvel e fixa

20/02/2020
Justiça cancela domínio de empresa que vendia dados pessoais de mais de 10 milhões de brasileiros

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

Faltam profissionais para cuidar dos ataques cibernéticos no Brasil

Ao publicar a Estratégia Nacional de Segurança da Informação, a e-ciber, o governo admite que o País possui poucos profissionais especializados em segurança cibernética; que há uma baixa conscientização dos usuários com relação ao tema e que é preciso urgente criar um programa nacional destinado à formação técnica nos órgãos do governo e nas empresas privadas.

TI e Internet lideram 13 dos 15 cargos profissionais em alta no Brasil

Levantamento feito pelo Linkedin mostra que gestor de redes sociais, engenheiro de cibersegurança, cientistas de dados e desenvolvedores seguem tendo alta demanda no mercado.

Déficit de mão de obra na América Latina será de 570 mil profissionais em 2020

Empresas da região vão investir nas tecnologias da terceira plataforma - cloud, analytics, Inteligência Artificial - e vão requisitar cada vez mais especialistas em programação e desenvolvimento, projeta estudo da IDC América Latina.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site