Home - Convergência Digital

Adriano Meira Ricci deixa o comando da BBTS

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 25/06/2019

O presidente da BBTS, Adriano Meira Ricci, está deixando o posto depois de aproximadamente um ano e meio à frente do braço de tecnologia do Banco do Brasil, em sua segunda passagem pela empresa. Mas se o período foi curto, os resultados são expressivos, alinha o executivo. “No primeiro trimestre de 2019 o resultado foi maior que todo o ano passado”, afirma. 

Depois de alguns adiamentos, Ricci vai se aposentar do BB, o que implica no seu desligamento da subsidiária de tecnologia da instituição. Segundo ele, o período valeu pela recuperação da motivação dos funcionários, refletida não apenas no resultado financeiro, mas na efetiva implementação do planejamento estratégico até 2023. 

No lado financeiro, Ricco ressalta que o resultado entre janeiro e março deste ano foi de R$ 13,6 milhões, acima dos R$ 12 milhões de todo 2018. “Fizemos uma redução muito forte de custos e um realinhamento de negócios deficitários, que eram seis e agora é apenas um. O resultado veio com a melhoria individual de cada negócio. Entregamos mais e recebemos mais, sendo que entregamos mais gastando menos”, avalia. 

Nesse caminho, a BBTS se prepara para ganhar mercado para além do Banco do Brasil. “Hoje, 99% do faturamento é com o BB. Mas nossa meta é chegar em 2023 com algo em torno de 30% de faturamento fora do Banco do Brasil. Já estamos fazendo um piloto com grandes bancos e empresa privadas, que estão avaliando nosso modelo de cobrança e recuperação de crédito, além da parte de telefonia e da segurança física, em negociações com dois grandes bancos”, revela Ricci. 

Segundo ele, a solução de software desenvolvida na BBTS garantiu ao Banco do Brasil uma redução de 20% dos custos com telefonia, enquanto a solução de segurança chegou a permitir uma queda de 40% nas despesas dessa área. São soluções já prontas para ir à mercado e que ele acredita terão anúncios de negócios antes do fim de 2019. 

“Vamos focar em TI. Não vamos deixar de fazer o BPO, mas queremos focar mais em TI. Atualmente BPO representa 82%, sendo o resto tecnologia. O que queremos, dentro daquele planejamento estratégico, é chegar em 50%-50%. estamos totalmente prontos”, afirma Adriano Ricci. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/10/2019
Facebook sofre novo processo do Ministério da Justiça e pode pagar multa de até R$ 10 milhões

17/10/2019
Autoridade de Dados é multissetorial, afirma Danilo Doneda

17/10/2019
Anatel surpreende na proposta do modelo para leilão 5G

17/10/2019
Anatel: Tirando Oi, Telefônica, Claro, TIM e Sky todas as demais são pequenas prestadoras

17/10/2019
Anatel prepara nova proposta de projeto de lei para reduzir taxas de telecom

16/10/2019
Brasil melhora, mas ainda é o segundo país em ataques à IoT

16/10/2019
"Claro que temos interesse na Oi", diz América Móvil

16/10/2019
Pagamento de boleto não torna banco responsável por compra via internet

15/10/2019
Brasil precisa pensar global e apostar na diversidade para aparecer na Inovação

15/10/2019
NEGER Telecom lança sistema de alerta para barragens e áreas de risco

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

Informação sigilosa pelo WhatsApp caracteriza justa causa para demissão

Mesmo com estabilidade provisória como cipeiros, Tribunal Superior do Trabalho deu validade à dispensa de três empregados que divulgaram nomes de futuros demitidos pelo app de mensagens. 

RH prioriza currículo e falha ao contratar profissionais de TI

Há uma distância grande do discurso adotado pelo RH com relação à tecnologia em relação à prática no dia a dia e a conversa entre a TI e o RH fica muito distante e gera ruído, observa a diretora da edtech Fábrica de Cursos, Sylvia Meirelles.

Automação e IA exigem que Brasil reeduque sete milhões em três anos

Estudo da IBM indica que o impacto das novas tecnologias no mercado de trabalho demanda qualificação imediata de 120 milhões nas maiores economias do mundo, mas o tempo de capacitaçao aumentou 10 vezes desde 2014. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site