GOVERNO

Decreto coloca IoT no Fistel reduzido e permite enquadramento como SVA

Luís Osvaldo Grossmann ... 26/06/2019 ... Convergência Digital

Saiu, depois de longa espera, o Decreto presidencial (9.854/19) que institui o Plano Nacional de Internet das Coisas. Além de pinceladas grossas sobre as áreas prioritárias na política pública – saúde, cidades, indústria e rural – a norma formaliza a Câmara de IoT. Mas a principal função do Decreto é estabelecer um conceito para internet das coisas que ajude os dispositivos dessa rede a fugirem da tributação. 

Para isso, o Decreto começa estipulando como “Internet das Coisas - IoT - a infraestrutura que integra a prestação de serviços de valor adicionado com capacidades de conexão física ou virtual de coisas com dispositivos baseados em tecnologias da informação e comunicação existentes e nas suas evoluções, com interoperabilidade”. 

O texto, que passou mais de ano cozinhando na Casa Civil, foi elaborado para evitar que sejam cobradas, especialmente, o maior agressor tributário das telecomunicações, o ICMS, além das taxas incidentes sobre equipamentos de telecomunicações – de celulares a antenas – a título de Fistel, os R$ 40 de cada equipamento ativado, ou R$ 5 na versão reduzida, para os sistemas de comunicação máquina a máquina. 

Ao chamar de ‘infraestrutura que integra a prestação de serviço de valor adicionado’, o Decreto permite enquadrar os serviços de internet das coisas como SVA. Nesse caso, o efeito tributário mais significativo seria evitar a cobrança de ICMS – tido pelo mercado de telecom no Brasil como o principal peso fiscal do setor, com oneração média de 40% nos preços finais. 

Além disso, o Decreto também recupera o conceito de que “para fins do disposto no art. 38 da Lei nº 12.715/12, são considerados sistemas de comunicação máquina a máquina as redes de telecomunicações, incluídos os dispositivos de acesso, para transmitir dados a aplicações remotas com o objetivo de monitorar, de medir e de controlar o próprio dispositivo, o ambiente ao seu redor ou sistemas de dados a ele conectados por meio dessas redes”.

Nesse caso, os dispositivos de IoT ficam enquadrados na tarifação do Fistel reduzido, de R$ 5,68 no primeiro ano, mas que cai para um terço disso, R$ 1,89, a partir do segundo ano. Ainda não é o cenário dos sonhos das operadoras, mas esse só virá com a efetiva aprovação do projeto de lei 7.656/17, que zera totalmente o Fistel para M2M. O texto só precisa passar pela CCJ na Câmara para seguir ao Senado. Mas até que vire lei, IoT terá Fistel de R$ 1,89. 

Para as maquininhas de cartão, o conceito próprio já válido para evitar que elas caiam na regra do Fistel reduzido é também recuperado e passa a fazer parte do novo Decreto, ou seja, que para os fins da Lei 12.715/12 “os sistemas de comunicação máquina a máquina não incluem os equipamentos denominados máquinas de cartão de débito e/ou crédito, formalmente considerados terminais de transferência eletrônica de débito e crédito, classificados na posição 8470.50 da Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados - TIPI, aprovada pelo Decreto nº 8.950, de 29 de dezembro de 2016”.

Finalmente, o Decreto 9.854/19 estabelece a Câmara de IoT como “um colegiado não deliberativo”, formado pelos ministérios de Ciência & Tecnologia, Economia, Agricultura, Saúde e Desenvolvimento Regional, com a possibilidade de serem convidados “representantes de associações e de entidades públicas e privadas para participar das reuniões da Câmara IoT”.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

MPF e Defensoria da Paraíba entram com ação pública contra União, Dataprev e Caixa

Ação públicas pede aos órgãos corrijam falhas sistêmicas de TI  na concessão do benefício ao cidadão.

Agência Espacial abre edital para lançamentos comerciais na base de Alcântara

AEB é responsável pelas tratativas iniciais com as empresas, nacionais ou estrangeiras, interessadas em utilizar a base brasileira para lançamento de veículos espaciais.

PL quer adiar venda do Serpro, Dataprev, Telebras e outras estatais

Proposta, que está em análise na Câmara dos Deputados, ressalta que o 'períodos de crise são um excelente momento para quem compra e péssimo para quem vende'. Privatizações estão agendadas para junho de 2021. Ideia é adiar as vendas para 12 meses após o fim da pandemia de Covid-19.

STF derruba MP que mandava teles repassarem dados de clientes ao IBGE

Prevaleceu o entendimento da relatora, Rosa Weber, de que a ordem de recolher nome, endereço e telefone de todos os clientes de telefonia fixa e móvel configura medida excessiva, sem finalidade delimitada ou garantias suficientes. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G