Convergência Digital - Home

Orçamento e liminar travam planos do Governo para uso da nuvem

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 17/07/2019

Os cortes no orçamento afetaram os planos do uso de uma nuvem pública centralizada do governo federal. Sete meses depois do pregão vencido pela Primesys, da Embratel,  quatro dos 12 órgãos federais que participaram da seleção aderiram efetivamente à ata de registro de preços. 

A falta de recursos para concretizar a contratação atingiu até o gestor da ata, a Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia. Além disso, uma liminar judicial paralisou novas adesões por um mês e meio. Como resultado, a cinco meses de expirar a ata, apenas ENAP, CADE, IFPI e IPHAN efetivaram a contratação. 

“Em que pese a orientação para que os órgãos federais adotem preferencialmente a nuvem, a adesão não é obrigatória. E existe uma questão sensível, que é o orçamento. Não estamos conseguindo contratar por falta de orçamento”, explica a diretora substituta do departamento de operações compartilhadas da Secretaria de Governo Digital, Eleidimar Silva. 

A ata de registro de preços, veículo de adesão à nuvem pública do governo federal, começou a vigência de um ano em 21 de dezembro de 2018. Seis meses depois, no início de junho, uma liminar suspendeu novas adesões à pedido da empresa que ficou em segundo lugar na licitação. 

Essa liminar caiu na terça, 16/7. Significa que os órgãos podem voltar a contratar com base na ata, mas a expectativa é de que esse movimento só se concretize mesmo mais para o fim do ano, perto do fim da validade e no último trimestre, quando é de praxe algum nível de liberação orçamentária no governo federal. 

Além dos órgãos iniciais, a ata também está aberta a adesão de terceiros e já existem dois interessados. Um é a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, que já recebeu autorização da SGD para aderir, mas cujo processo só poderá ser retomado agora que aquela liminar caiu. Outro é a Universidade Tecnológica Federal do Paraná, ainda em início de tratativas. 


Destaques
Destaques

Nuvem pública é usada no Brasil para back-up de dados e fluxos locais

A terceira edição da pesquisa Global Data Protection Index, encomendada pela Dell Technologies, mostra ainda que mais de 70% das empresas de médio e grande porte registraram incidentes com dados no Brasil, com um prejuízo médio de R$ 1,5 milhão.

Edge computing vai avançar 226% nos próximos cinco anos

Levantamento global da Vertiv mostra que o edge comuputing ganha papel estratégico no ecossistema de data centers pelo incremento do processamento de dados perto do ponto de uso.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site