Home - Convergência Digital

TIM supera rivais em disponibilidade e latência 4G. Claro lidera em velocidade de download

Ana Paula Lobo* - 25/07/2019

O 9º Relatório de Experiência Móvel no Brasil, divulgado pela Opensignal, nesta quinta-feira, 25/07, mostra que o país está deixando de lado o posto de "retardatário" na disponibilidade de redes móveis 4G e pode se tornar um dos líderes da América Latina no quesito. O crescimento acontece pouco menos de um ano antes do início do leilão da tecnologia 5G, marcado para março de 2020.

Segundo a pesquisa, a melhora tem relação com o desligamento do sinal de TV analógica, que liberou a faixa de frequência 700 MHz e impulsionou o alcance do 4G. Isso significa que os consumidores têm acesso a conexões mais rápidas com mais frequência.

A Opensignal analisou a experiência de rede para clientes das principais operadoras do país TIM, Claro, Vivo, Oi e Nextel. Para este relatório, a empresa coletou e analisou mais de 8 bilhões de medições obtidas de mais de 999.385 dispositivos usando o app da Opensignal no Brasil durante um período de três meses – de 1º a 29 de março. As métricas utilizadas foram: Disponibilidade 4G, Experiência de Vídeo, Experiência de Velocidade de Download e Upload e Latência.

O relatório da Opensignal avaliou a conectividade de 999.385 dispositivos das (TIM, Claro, Vivo, Oi e Nextel em algumas cidades), entre 1 de março e 29 de maio. Ao todo, a empresa analisou mais de 8 bilhões de informações dos usuários brasileiros. A TIM manteve sua liderança em relação às concorrentes e ultrapassou pela primeira vez a marca dos 80% de disponibilidade de sinal 4G. Além disso, a operadora italiana também tem vantagem na latência do 4G, ou seja, possui menos delay de sinal em transmissões ao vivo de vídeo e áudio.

Em termos de velocidade de download, a Claro segue à frente da concorrência. A subsidiária da mexicana América Móvil tem média de 19,8 Mbps de velocidade, contra 14,2 da segunda colocada, a Vivo. A TIM e a Oi cresceram em relação à pesquisa anterior, mas seguem longe da liderança, com 11,6 Mbps e 8,6 Mbps respectivamente.

No quesito velocidade de upload, a Claro também domina, com 6,4 Mbps. Vivo e TIM demonstraram melhora em relação ao último levantamento, mas ainda não conseguiram se aproximar da qualidade da concorrente. O relatório da Opensignal aponta que o brasileiro tem tido uma experiência de vídeo cada vez melhor. A Claro permanece como a única operadora com boa Qualidade de vídeo (55 a 65 pontos em uma escala de 100). A TIM e a Vivo, porém, impulsionaram a experiência de vídeo de seus usuários e estão muito próximas de alcançar a marca dos 55 pontos.

A TIM leva a melhor em disponibilidade de 4G nas cinco maiores cidades do país: São Paulo (90%), Rio de Janeiro (88,9%), Brasília (90,7%), Salvador (88,6%) e Fortaleza (90,4%). Em experiência de vídeo, a disputa é apertada nas cidades mais populosas do país. A Claro tem vantagem em São Paulo e Rio. Em Salvador, tem empate técnico com a Vivo, que leva a melhor em Fortaleza. Em Brasília, o usuário da TIM tem a melhor qualidade de vídeos no 4G.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

10/08/2020
EUA vão vender 100 MHz para impulsionar 5G

10/08/2020
Huawei dá o troco e Qualcomm alerta para o risco dos EUA perder muito dinheiro

06/08/2020
Huawei não pode ser usada para atrasar ainda mais o leilão 5G

06/08/2020
Se Anatel quiser, redes privadas não precisam esperar o leilão 5G

06/08/2020
Huawei usa robôs em centro de distribuição no Brasil com uso do 5G industrial

04/08/2020
Reino Unido contraria teles e confirma leilão 5G para janeiro de 2021

29/07/2020
Investimentos em 5G vão dobrar em 2020 e serão maiores que 4G até 2022

29/07/2020
Estados Unidos fazem ameaça velada ao Brasil por 5G

28/07/2020
A10 e CLM lançam laboratório de capacitação em IoT/5G

27/07/2020
Sem testes de campo, Anatel adia consulta sobre faixa de 3,5 GHz no 5G

Destaques
Destaques

Venda de smartphones piratas dispara 135% no 1ºtri no Brasil

Tombo no primeiro trimestre foi de 8,7% - e chegou a 22,4% entre os aparelhos mais simples. Alta do dólar e a falta de componentes impactaram a venda dos dispositivos no país.

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site