OPINIÃO

A Receita e a regulação das criptomoedas

Da redação
19/08/2019 ... Convergência Digital

O mês de agosto começou com a edição da Instrução Normativa RFB 1.888, que inclui a obrigatoriedade na prestação de informações à Receita Federal sobre operações de compra, venda e troca de moedas virtuais. Desde o dia 1º, as transações com criptoativos que ultrapassam R$ 30 mil deverão ser informadas mensalmente, valendo a regra para pessoas físicas e jurídicas.

A mudança faz com que as exchanges no Brasil e os contribuintes que investiram em moedas digitais no exterior passem a ser fiscalizados pela Receita, que poderá multar quem infringir as regras em valores que vão de 1,5% a 3% da transação não informada.

Essa medida é mais uma prova da aceitação e entendimento do governo ao novo modelo de transação financeira que está mudando o mundo de maneira disruptiva. Afinal, a criptoeconomia movimentou, só em 2018, mais de R$ 8 bilhões no Brasil. Dados da Receita Federal também apontam que atualmente o mercado de moedas digitais no país tem mais investidores que a Ibovespa. Ou seja, a moeda digital não é mais uma moda passageira, mas uma realidade que ganhou escala.

A Instrução Normativa da Receita também funcionará como escudo para o Governo Federal contra fraudes, já que a falta de uma regulação favorecia atividades ilegais, como lavagem de dinheiro e corrupção. Há, porém, avanços ainda pendentes. O grande desafio para impedir ações fraudulentas continua sendo rastrear os donos das criptomoedas.

Apesar de a nova regra intensificar a fiscalização do Estado e reduzir a incidência do Imposto de Renda, a definição sobre o que é a moeda digital não elimina certas interrogações. Para alguns analistas, por exemplo, a propriedade de bitcoins não deveria ser declarada como bem, mas sim classificada como meio de pagamento.

Mesmo com a nova instrução e o aumento do uso da moeda digital no Brasil, ainda existem outros conceitos de tributação de moedas digitais que precisam ser estabelecidos. É preciso chegar a uma conclusão definitiva acerca da natureza jurídica e econômica dessas moedas, já que elas não são consideradas legais, mas sua operação não é proibida/ilegal. Por outro lado, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) tem acompanhado, em detalhes, empresas e investidores em criptomoedas, com o objetivo de garantir uma regulamentação detalhada e justa, além de permitir uma fiscalização eficiente.

O importante até o momento é que a Instrução Normativa é um importante passo para aqueles que lidavam com criptomoedas sem recolher tributos. Ou seja, a nova regra visa liquidar com o anonimato de quem lucra altas quantias monetárias digitais e não cumpre seus deveres com o Estado. Há ainda muito a percorrer, mas o novo marco regulatório da Receita é o início de um caminho para acabar de vez com a desconfiança em relação às moedas digitais e torná-las uma importante ferramenta de apoio à economia nacional.

Isaias da Silva é sócio da UpCont, assessoria contábil com especialização em criptoativos


Carreira
Graduação em Ciências de Dados terá 2610 horas

Curso será ofertado pela Escola de Matemática Aplicada da Fundação Getulio Vargas (FGV EMAp), no Rio de Janeiro. São 2610 horas de aulas. Inscrições vão até o dia 08 de outubro.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G