NEGÓCIOS

BBTS quer ser cada vez mais uma empresa voltada à TI

Convergência Digital* ... 21/08/2019 ... Convergência Digital

João Vagnes assumiu oficialmente o comando da BBTS, ex-Cobra, no lugar de Adriano Meira Ricci, que se aposentou. Vagnes atuou no Banco do Brasil como Gerente Executivo, na BB Previdência como Diretor Financeiro e de Investimentos, no Instituto Economus de Seguridade Social como Diretor Financeiro e, desde 2016, atuava como Diretor Executivo de Administração de Fundos e Gestão na BB DTVM. Sua participação em órgãos colegiados também foi expressiva, tendo sido membro dos Conselhos Fiscal e Deliberativo da Cassi, Conselho Consultivo da Previ e Conselho Deliberativo do Instituto Economus.

O novo presidente reforçou a estratégia da gestão anterior de levar a BBTS ao mercado para a aquisição de novos clientes. "A empresa está passando por um momento marcante em sua história e continuar firme na trajetória da transformação dos modelos de negócios, buscando aumento sustentável do resultado operacional é um objetivo desafiador. Seguiremos com a geração de novos negócios, oferta de produtos e serviços de maior valor agregado e diversificação de clientes", pontua Vagnes.

Uma das intenções de João Vagnes em sua gestão é transformar a BBTS em uma empresa ainda mais voltada à TI, oferecendo produtos mais inteligentes e sustentáveis. Para o presidente da BBTS, este é um importante passo para que a empresa se destaque nos segmentos de inovação na área de tecnologia e pesquisa, acompanhando o tsunami digital pelo qual as empresas passam neste momento.

"Acho que evolução é uma palavra que define bem o que estamos buscando com este movimento aqui na BBTS. O que queremos é investir em projetos e mentes criativas para juntos, dentro do conceito de ecossistema, buscarmos novas aplicações para soluções já desenvolvidas e outras que, pela necessidade dos clientes, possamos desenvolver", afirma Vagnes.

A BBTS surgiu na década de 70 como uma das pioneiras na fabricação de computadores no Brasil, época em que a empresa ainda se chamava Cobra – Computadores e Sistemas Brasileiros e seu objetivo era desenvolver tecnologia genuinamente nacional.

Nos anos 90 a empresa passou a fazer parte do conglomerado do Banco do Brasil, que adquiriu a maior parte de suas ações, e em 2013 se reposicionou no mercado alterando a nomeação para BB Tecnologia e Serviços - BBTS.

Atualmente a BBTS desenvolve soluções com inteligência artificial inovadora, estabelece parcerias estratégicas cada vez mais fortes e, com a otimização do seu portfólio, oferece serviços também para o mercado. Tudo isso alicerçado por datacenters de alta tecnologia, fábrica de software com equipe altamente qualificada e suporte técnico especializado por todo o país.









Cloud Computing
DNIT assume dívida de R$ 21,3 milhões com o Serpro por serviços de TIC

Entre os serviços no rol das pendências está a oferta de dados como serviço (Quarzo), conforme revela o reconhecimento da dívida feita pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no Diário Oficial da União.

ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Unicórnio brasileiro avança operações de pagamento para décimo país

Ebanx anunciou que também vai processar pagamentos no Uruguai. "Unicórnio" com mais de US$ 1 bi, empresa está também no México, Colômbia, Argentina, Chile, Peru, Bolívia, Equador e Uruguai, além do Brasil.

Finplace amplia em mais de 200% a oferta de crédito para PMEs

Criada no final do ano passado, a plataforma já movimentou mais de R$ 50 milhões e contabiliza 108 financiadores e uma carteira com mais de 500 clientes.

Se a bitcoin fracassar, o blockchain morre abraçado

FastBlock, empresa brasileira especializada em mineração por serviço, compra data center nos EUA para acelerar a mineração das criptomoedas. Ao Convergência Digital, o CEO Bernardo Schucman, adverte: Brasil não abre espaço à inovação. Sobre a credibilidade da bitcoin, o executivo diz que o estigma é concorrencial. "O velho mundo rejeita o novo. Golpes existem desde sempre. O que é a gangue do boleto?".

No Brasil, 65% das empresas estão bem longe das regras da LGPD

Índice LGPD ABES mostra ainda que 40% das companhias brasileiras sofreram incidentes de violação nos últimos dois anos e 80% assumem que fazem, sim, coleta de dados sigilosos. "Não há mais tempo a perder", adverte o consultor da EY, Marcos Sêmola.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G