Home - Convergência Digital

Governo cria loja própria para evitar fraudes e unificar acesso aos apps

Convergência Digital* - 13/09/2019

Em um levantamento preliminar, o governo federal encontrou cerca de 100 aplicativos de serviços públicos de órgãos da administração pública federal. Contudo, se um cidadão quiser acessar algum destes, precisa entrar nas lojas tradicionais (Play, da Google, e Apple, da empresa de mesmo nome) e procurar, nem sempre achando o App da forma mais fácil.

Para facilitar a disponibilização dos Apps do Executivo, foram criadas “lojas próprias” dentro da Play Store e da Apple Store. Por meio desses espaços, o cidadão pode encontrar programas elaborados pelas diversas instituições que compõem o governo. Essas aplicações possibilitam acessar serviços e facilitar o atendimento em algum órgão público federal.

Quem desejar encontrar as lojas deve buscar por “governo do Brasil” em cada uma delas. Na Play Store, disponível também na web para desktops, o link está disponível. Já a Apple só disponibiliza dentro de suas plataformas.

Nelas já foram incluídos 40 Apps, que até setembro já tinham registrado 7 milhões de downloads. Segundo o diretor de Experiência do Usuário da Secretaria de Governo Digital, Joelson Velloso, o governo ainda está mapeando o conjunto das aplicações para disponibilizá-las nas lojas.

Os mais baixados foram os do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) Digital. O próximo a ser lançado será o da carteira estudantil digital, criada por meio de medida provisória editada no dia 6 deste mês.

Contudo, acrescenta Velloso, com a criação desses espaços o Executivo pode ter uma visão geral dos programas desenvolvidos e, com isso, otimizar esses canais de atendimento, evitando desperdícios. Se em uma área, por exemplo, há três ou quatro Apps, uma alternativa é unificá-los, simplificando o acesso pelo usuário.

“A gente encara aplicativo como algo que todo mundo tem que ter. Nosso entendimento é que este programa é um canal de atendimento. Como qualquer canal, temos que racionalizar. A gente tem que permitir o acesso ao serviço público. Não adianta ter um App que ninguém baixa”, disse Velloso.

Outro objetivo das lojas próprias do governo é evitar fraudes de desenvolvedores que publicam Apps nas lojas buscando confundir usuários como se fossem oficiais do Executivo. “Apps de governo são distribuídos de forma aleatória e, às vezes, têm desenvolvedor colocando aplicativo de interesse público com nome de governo. Nesse caso, a gente entende que estamos facilitando a encontrabilidade, mas também um elemento de segurança de consumo”, ressaltou Joelson Velloso.

Fonte: Agência Brasil

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

07/08/2020
TikTok e WeChat decidem enfrentar o governo de Donald Trump

05/08/2020
Infobip e GSMA para oferecer proteção à identidade digital

05/08/2020
Itaú abriu cerca de 1 milhão de contas pelo app no 1º semestre

03/08/2020
"TikTok é vítima inocente da loucura da política e da geopolítica"

31/07/2020
Trump 'ordena' a venda do TikTok. Microsoft aparece como interessada

31/07/2020
Coronavírus SUS vai rastrear contatos de infectados com covid-19

28/07/2020
Covid-19 triplicou uso de serviços públicos digitais

22/07/2020
Samsung inicia fabricação de smartwatches em Manaus

20/07/2020
Serpro vai contratar empresa para análise de 45 aplicativos móveis

16/07/2020
Giro Pronampe quadruplicou demanda de TI do Itaú Unibanco Empresas

Destaques
Destaques

Edital do 5G vai ao mercado com ou sem venda da Oi Móvel

"Não vou submeter um processo de política pública, como é o edital 5G, a uma fusão e aquisição", afirmou o presidente da Anatel, Leonardo de Morais.

Venda de smartphones piratas dispara 135% no 1ºtri no Brasil

Tombo no primeiro trimestre foi de 8,7% - e chegou a 22,4% entre os aparelhos mais simples. Alta do dólar e a falta de componentes impactaram a venda dos dispositivos no país.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site