SEGURANÇA

Ciberameaças têm potencial cada vez mais pertubadores nos negócios

Convergência Digital* ... 01/10/2019 ... Convergência Digital

Os problemas econômicos preocupam os executivos a nível mundial, de acordo com o relatório sobre Riscos Regionais na Realização de Negócios de 2019 do Fórum Econômico Mundial. Em uma pesquisa realizada com cerca de 13.000 líderes empresariais em mais de 130 países, os participantes classificaram as "crises fiscais" como o principal risco na realização de negócios numa escala global.

Globalmente, três dos cinco principais riscos estão relacionados com a economia, sendo que o "desemprego ou subemprego" está posicionado em terceiro lugar e o "choque dos preços da energia" em quarto. Estes riscos estão fortemente ligados a perturbações sociais e contribuem para o "fracasso da governança nacional" rankeada em quinto lugar e a "instabilidade social profunda" que aparece em sexto. Os "ciberataques" são o segundo maior desafio para os executivos, e o mais importante na Europa e na América do Norte pelo segundo ano consecutivo, evidenciando o aumento da sofisticação e proliferação deste tipo de ataque.

Os riscos relacionados com o meio ambiente representam as principais preocupações no Sul da Ásia, na Ásia Oriental e no Pacífico, uma vez que estas regiões já sofreram desastres naturais devastadores e fenômenos meteorológicos extremos. Os desafios sociais ficam classificados numa posição elevada na Eurásia e na América Latina - regiões afetadas pelo abrandamento econômico - e no Caribe, onde os governos ainda têm dificuldade em assegurar serviços sociais considerados críticos.

No Médio Oriente e no Norte da África, o "choque dos preços da energia" lidera devido à contínua volatilidade nos preços e na produção, e na África Subsariana, onde o desemprego dos jovens está acima dos 13%, os executivos estão preocupados com a incapacidade de criação de emprego pelas economias. Embora a cooperação global continue a ser a ferramenta mais eficaz para lidar com os vários riscos, o mapeamento do relatório destaca as áreas face às quais as regiões podem atuar.

"Num momento em que o crescimento econômico global parece frágil, os líderes empresariais estão profundamente preocupados com a resiliência fiscal dos respetivos governos. Entretanto, as ciberameaças continuam a significar um grande risco devido à sua rápida evolução e potencial cada vez mais perturbador", explicou Emilio Granados-Franco, Responsável pela Agenda de Riscos Globais e Geopolítica no Fórum Econômico Mundial.

Para o Presidente do departamento de Global Risk and Digital na Marsh, John Drzik, a cibersegurança continua a ser o risco mais preocupante para os líderes empresariais das economias avançadas, e a crescente dependência da tecnologia para muitos negócios vai intensificar ainda mais este risco. "Os executivos enfrentam uma carteira muito desafiante de possíveis ameaças. Os líderes empresariais devem reavaliar a sua visão subjacente quanto ao ambiente de risco global e implementar mais medidas para fortalecerem a sua agilidade e resiliência corporativa."

O relatório sobre Riscos Regionais na Realização de Negócios de 2019 foi publicado em parceria com a Marsh & McLennan Companies e o Zurich Insurance Group e faz parte da Iniciativa de Riscos Globais do Fórum – um grupo de trabalho que analisa riscos globais críticos e comunica estes riscos às partes interessadas e ao público mais vasto através de recursos digitais e de comunicação. As conclusões do relatório sobre Riscos Regionais na Realização de Negócios de 2019 baseiam-se em 12.897 respostas de executivos inseridos em 133 economias. Foi pedido aos participantes para selecionarem "os cinco riscos globais mais preocupantes na realização de negócios no seu país nos próximos 10 anos".


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Sistemas sem suporte rodam em mais de 40% dos PCs

Pesquisa da empresa de segurança Kaspersky diz que mais popular é Windows 7, que ficará sem suporte em três meses. Grandes, pequenas e microempresas continuam usando versões como XP ou Vista. 

Crimes cibernéticos: Brasil é passível de represália por não assinar Convenção de Budapeste

O consultor em Segurança Cibernética e professor da pós-graduação da Universidade UniCarioca, Guilherme Neves, adverte que o País está atrasado e erra ao não aderir à um tratado global de defesa cibernética.

TSE convoca profissionais de TI para testar segurança das urnas eletrônicas

Evento ocorrerá no período de 25 a 29 de novembro, na sede do TSE, em Brasília. Inscrições vão, agora, até o dia 22 de setembro.

Brasil perdeu mais de R$ 80 bilhões com ataques cibernéticos em 12 meses

O País, hoje, é o segundo do mundo onde ocorrem mais perdas econômicas por conta das ações dos hackers, revelou o coronetl Arthur Sabbat, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G