TELECOM

Governo vai dar transparência aos compromissos na migração dos contratos

Luís Osvaldo Grossmann ... 04/10/2019 ... Convergência Digital

A regulamentação do novo marco legal das telecomunicações vai indicar exatamente onde devem ser feitos os investimentos das concessionárias que decidirem migrar os contratos para autorizações. Segundo o diretor de banda larga do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Artur Coimbra, haverá um novo Decreto, mas o foco dos investimentos vai seguir a política pública de telecomunicações apontada no fim de 2018. 

“A sanção realiza a alteração mais profunda já feita na LGT e abre uma perspectiva muito positiva de que a gente tenha investimentos muito fortes para interiorização da banda larga. E os investimentos vão seguir mais ou menos do que consta do Decreto 9.612, de 2018, que são basicamente três tipos: levar rede de transporte de fibra óptica para cidades que ainda não possuem; expansão da banda larga móvel, 4G, 5G, para localidades no interior e para áreas rurais mais populosas e produtivas; e a expansão de banda larga fixa, com fibras nas cidades e rede orientada pela cobertura de escolas urbanas”, explicou ao debater o tema durante o 9o FórumBR, nesta sexta, 4/10, em Manaus (AM). 

Segundo Coimbra, atualmente cerca de 67% dos municípios têm backhaul de fibra e é possível que os novos investimentos alavancados pela migração dos contratos eleve essa presença para mais de 75% ou 80%. No caso das redes de fibra nas cidades, o norte dos aportes serão as escolas públicas com mais de 500 alunos, atualmente com capacidade de internet abaixo da necessária. Para evitar sobreposições, ou seja, compromissos para redes onde já exista algum atendimento, a lista será tornada pública para captar reações.  

“Existe um hiato de informação entre Poder Público e iniciativa privada, e a gente não sabe com perfeição quais cidades têm e não têm infraestrutura. Então à medida que a gente torne pública a intenção de fixação desse compromisso de investimento, a sociedade pode alertar que está mandando investir em município em que já existe rede. Portanto toda essa publicidade vai ser feita.”

Segundo ele, os próximos passos são a regulamentação e exatamente a definição dos mencionados compromissos. “A presidência vai agora soltar a regulamentação, com apoio e complemento do ministério. Além de elencar com precisão quais serão os compromissos de investimento, onde as empresa terão que investir, a regulamentação vai estabelecer alguns prazos, alguns critérios, e adotar algumas medidas procedimentais em relação as garantias que as operadoras tem que apresentar no sentido de cumprir esses investimentos. E vai fixar que nos locais onde existe telefone fixo e não tem competição adequada, vão ter que continuar sendo atendidos por telefonia fixa, mas ela poderá ser substituída por telefonia móvel.”


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Aloo Telecom: Brasil precisa de um cadastro único de redes de fibra ótica

O crescimento das redes de fibra ótica é desorganizado e faltam informações disponíveis para definir onde investir e maximizar os recursos, afirma o CEO da operadora, Felipe Cansanção. Aloo Telecom analisa a participação no leilão 5G. "Nunca se vendeu tanta capacidade de espectro", adiciona o CEO.

Ufinet, da Enel, entra no mercado de rede neutra no Brasil

Chairman da empresa, Stefano Lorenzi,  assegura que Ufinet não terá vantagem no uso dos postes por ter a distribuidora elétrica como uma das acionistas. "Vamos competir igual com os outros", diz.

Falta um orquestrador para resolver o conflito do uso dos postes

"Não é falta de lei. Não é falta de resolução. É falta de agenda prioritária. Falta uma orquestração efetiva para se tentar resolver o problema", diz o diretor de estratégia e regulatório da Algar Telecom, Renato Paschoareli.

Abranet: Revisão do marco de telecom tem que abrir espaço para voz no SCM

Entidade diz que a revisão do marco legal de telecom exige uma avaliação do mercado de telefonia no Brasil, com ajustes regulatórios capazes de abrir o segmento aos prestadores de SCM, com recursos de numeração e sistemas de áreas de tarifação nos moldes da telefonia celular.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G