Convergência Digital - Home

Clientes não querem reescrever aplicações ao migrar para nuvem

Convergência Digital
Por Roberta Prescott - 07/10/2019

"Os nossos clientes têm uma necessidade de conectar as aplicações que nascem em clouds, multiclouds e clouds híbridas e acessar os dados que estão dentro do mainframe. Na plataforma z15, nos endereçamos este problema, ou seja, disponibilizar os dados armazenados de forma segura para as aplicações deste mundo novo. O z15 visa a se encaixar na estratégia de cloud dos nossos clientes", reforçou Anibal Strianese, diretor de soluções de servidores para o Brasil na IBM. Os equipamentos da linha z15 foram apresentados no Brasil, em evento realizado em São Paulo, no dia 03 de outubro.

Strianese explicou que os clientes não querem ter de reescrever as suas aplicações para movê-las para nuvem — e que esta foi uma necessidade atendida pelo z15. O desenvolvimento da plataforma mainframe foi cocriada pela IBM junto com 300 clientes e uma das demandas foi justamente em como disponibilizar os dados do mainframe e do legado de forma segura. "Apenas 20% dos workloads migraram para a nuvem, temos 80% das aplicações residindo em infraestrutura tradicionais; há uma necessidade em se conectar as aplicações. O z15 se encaixa na estratégia de transformação digital dos nossos clientes", explicou.

Citando a visão da IBM, Strianese destacou que o futuro será marcado pela infraestrutura de nuvem híbrida. "No começo, todos tinham ideia de que tudo iria para nuvem, mas vemos que isto não é realidade para a maioria das empresas, que, hoje, possuem uma estratégia de cloud híbrida, colocando dados rodando em infraestrutura on-premise e com outras aplicações na nuvem", disse, acrescentando que os clientes também não ficam com apenas um provedor de computação em nuvem. "É preciso que as aplicações se integrem e possam usar os dados de forma transparente e garantindo a segurança dos dados." Confira a entrevista na íntegra:


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

CSU avança de empresa de BPO para uma companhia de tecnologia

Com diferentes atividades, entre elas, processamento de transações eletrônicas de meios de pagamento e serviços de relacionamento com clientes, a CSU contratou o NICE Nexidia para melhorar os resultados dos negócios com uma abordagem consultiva e analítica.

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Destaques
Destaques

Fleury cria empresa baseada em ciência de dados e inteligência artificial

Saúde ID funcionará como um marketplace de serviços ligados à saúde e recebeu investimentos de R$ 50 milhões. O paciente terá todas suas informações de saúde integradas em uma única plataforma, que poderá oferecer às empresas e operadoras um serviço com algoritítimos preditivos.

No Brasil, empresas 'confiam, desconfiando' das multiclouds

Estudo, feito pela F5 com vários países da América Latina, mostra que as organizações têm menos confiança na capacidade da nuvem pública resistir a um ataque hacker voltada às aplicações. Escolha da nuvem é feita aplicação por aplicação.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem privada?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site