Home - Convergência Digital

Fiat Chrysler pode replicar modelo de MVNO no Brasil para carro conectado

Ana Paula Lobo - 02/12/2019

Dentro da estratégia de enxergar o carro como uma plataforma móvel, a Fiat Chrysler Automobiles (FCA) do Brasil - quarta maior empresa do setor de automóveis, atrás da Volkswagen, da aliança Renault-Nissan-Mitsubischi e da Toytota - planeja, para breve, definir o modelo de negócio para o Brasil. "Somos uma empresa global e temos de pensar como é lá fora. Na Europa, contratamos um MVNO. Pode ser que aqui seja assim, ainda estamos definindo qual será o melhor modelo", contou o CIO da FCA para a América Latina, André Souza, em encontro com a imprensa, nesta segunda-feira, 02/12, em São Paulo.

O executivo - que relatou os passos da companhia na jornada da transformação digital - não quis adiantar muitos detalhes da estratégia de carro conectado, mas disse que é preciso pensar sempre no melhor modelo para o consumidor. "O fato que a relação do dono do carro será sempre com a concessionária. Uma infinidade de novos serviços estão por vir", reforçou Souza.

Sobre a melhor forma de conexão, Souza disse que pode ser 3G, 4G, Wi-Fi, e, claro, mais à frente, o 5G."Ser agnóstico é o melhor de tudo. O consumidor quer acessar à Internet, quer ter a conexão. Como ela chega, não é o mais relevante", pontua. Na Europa, a FCA anunciou no mês passado um acordo com a Transatel, uma MVNO francesa, para receber conectividade 4G nos 28 países da União Europeia + EFTA (Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça). O compromisso também fala na adoção do 5G quando a tecnologia estiver disponível no mercado automotivo.

Com relação à transformação digital, Souza lembra que a indústria automobilística é cobrada, agora, para ser ágil no desenho de um carro, mas que o processo tem de ser muito bem pensado uma vez que um choque desproporcional pode resultar no fracasso da estratégia. Mas o CIO admite que os prazos ficaram bem menores. "Antes tinha produto que levava quatro anos. Agora tem que sair em 24, 18, 12, seis meses. Agilidade é o nome do jogo", observa.

Na FCA, a transformação digital passa pela realização de challanges- ou hackathons internos para mobilizar as áreas de TI e de negócios. A companhia está finalizando a 5ª edição do Challanges e já houve o desenvolvimento de aplicativos funcionais. "Nossa unidade fabril em Betim, Minas Gerais, é uma cidade. E o Challanges nos permitiu em 40 dias fazer um aplicativo para monitorar horários dos ônibus e a mostrar os nossos funcionários como andar na fábrica. Parece uma coisa sem importância, mas nos trouxe um ganho enorme. Os funcionários agora descem na hora certa para pegar os ônibus. Houve aumento de produtividade", diz.

Souza lembra que o Challanges começou na área de TI, mas que foi incorporada a outras áreas de negócios. "Montamos 15 equipes que atuam como startups no desenvolvimento dos seus produtos com a mentoria dos diretores. Mobilizamos toda a empresa para participar e os resultados têm sido fantásticos", completa.

Carro como meio de pagamento

A FCA aproveitou o encontro com a imprensa para anunciar uma parceria com a Visa. Ainda não há nada de concreto, apenas a intenção de ambas as empresas trabalharem juntas para desenvolver solução de pagamento "fluida e segura" e que explore melhores meios de pagamento para os usuários, acompanhando a jornada do cliente.

O head de inovação e conectividade para a América Latina da FCA, Mateus Silveira, ressaltou que o conceito de mobilidade vai além do carro e que a solução deverá contemplar este comportamento e acompanhar o cliente aonde ele for, buscando uma solução independente do veículo. "Vamos acompanhar o consumidor e não o carro."   

Érico Fileno, diretor-executivo de inovação e design da Visa, explicou que a Visa trabalha na desconstrução do plástico, criando alternativas para realizar pagamentos, como por meio de mCommerce, NFC, peer to peer. "São novos formatos e novos meios, então, por que não pensar no carro." Visa e FCA ainda não tem um caso de uso desenhado e os executivos não especificaram um prazo para apresentar modelos a serem testados.

*Colaborou Roberta Prescott

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

01/07/2020
ConectarAgro quer 13 milhões de hectares na área rural com conexão 4G até o fim de 2021

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

19/06/2020
CEO da Algar: Banir fornecedor do 5G seria um tremendo equívoco

18/06/2020
Aumento de espectro para 5G está em consulta pública

17/06/2020
Qualcomm leva 5G para smartphones de baixo custo

17/06/2020
5G é agenda prioritária para novo ministro das Comunicações

Destaques
Destaques

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

De acordo com a KPMG, será preciso ainda cuidar da avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site