OPINIÃO

Grafeno: Brasil precisa fazer mais, muito mais

Por: Nelson de Jesus Parada*
09/12/2019 ... Convergência Digital

O grafeno, esse material revolucionário, chamado o "mineral do século", que graças às suas propriedades que incluem leveza, flexibilidade, condutividade e resistência, e é capaz de gerar aplicações em alta tecnologia antes nunca imaginadas, tornou-se o alvo de universidades, centros de pesquisas, institutos de pesquisa, desenvolvimento e inovação e empresas em todo o mundo, os quais têm investido quantias enormes de recursos para desenvolver  técnicas de produção e de desenvolvimento de aplicações do material. Assim, pode-se dizer que o que era futuro antes, já é realidade hoje.

O grafeno, uma das formas alotrópicas do carbono, assim como o diamante, o carvão e a grafita, é o primeiro material bidimensional do mundo, com uma única camada de átomos de carbono dispostos em uma estrutura hexagonal que possui um conjunto de propriedades únicas e extraordinárias. Foi isolado pela primeira vez em 2004, na Inglaterra, pelos cientistas Andre K. Geim e Konstantin S. Novoselov, em uma pesquisa que ganhou o Prêmio Nobel de Física.

O grafeno é o material mais leve e mais forte do mundo, sendo 200 vezes mais resistente do que o aço, superando até mesmo o diamante e uma folha de grafeno de 1 metro quadrado pesa 0,0077 gramas e é capaz de suportar até 4 kg. É também o material mais fino que existe (da espessura de um átomo ou 1 milhão de vezes menor que um fio de cabelo). Além disso, é flexível, impermeável a moléculas e íons, resistente ao impacto e à flexão, excelente condutor térmico e elétrico (melhor condutor que o cobre) e apresenta elevada transparência.

Suas aplicações envolvem inúmeras áreas do conhecimento, em especial: energia, sensores, compósitos e revestimentos, fotônica e optoeletrônica, automotivo e aeroespacial, comunicação, impressão 3D, biomedicina, polímeros, materiais esportivos, construção civil, saneamento e tecnologias wearable (Roupas Inteligentes).

Existem dezenas de métodos de produção de grafeno atualmente sendo pesquisados na academia e usados por diferentes empresas. Dentre eles destacam-se a esfoliação mecânica e tratamento químico da grafira, a deposição química por vapor (CVD) e a redução (transformação do óxido de grafeno em grafeno).

O Brasil conta com quatro principais centros que se ocupam da produção e do desenvolvimento de aplicações de grafeno: o MackGraphe em São Paulo, o MG Grafeno em Belo Horizonte, a Universidade de Caxias do Sul, em Caxias do Sul  e o CTNano em Belo Horizonte, os quais começaram com projetos pilotos na área e atualmente procuram implantar infraestrutura tecnológica para a instalação de empresas envolvidas na produção de grafeno e no desenvolvimento de suas aplicações.

Elas continuarão a realizar pesquisa, desenvolvimento e formação de pessoal na área, incentivando a criação de startups em aplicações, as quais, ao terem os seus produtos prontos, serão transferidas para os correspondentes Parques Tecnológicos para exploração comercial.

Trata-se, respectivamente, do Parque de Ciência, Tecnologia e Indústrias 4.0 – Graphene Hill – MackGraphe próximo a Cabo Frio, do Neographene em Belo Horizonte, do Parque de Ciência, Tecnologia e Inovação – TecnoUCS em Caxias do Sul, e do CTNano – Parque Tecnológico de Belo Horizonte. Como essas iniciativas envolvem a produção e o desenvolvimento de aplicações de grafeno com interesse comercial, uma questão importante veio à tona: como e onde a produção e o desenvolvimento de aplicações estratégicas e de segurança nacional de interesse do Governo Federal seria realizada?

Com esse objetivo foi apresentada, ao Presidente da República, em junho deste ano, a proposta de implantação, pelo Governo Federal, do Centro Nacional de Grafeno – Cenagraph, o qual, além de se ocupar das aplicações mencionadas acima, iria prover grafeno para as instituições de pesquisa, desenvolvimento e inovação nacionais que, através de projetos apresentados às fontes de financiamento federias (Finep, CNPq, BNDES, etc) o solicitassem.

O Brasil conta ainda com importantes Universidades, Institutos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação e outras entidades que desenvolvem atividades envolvendo o grafeno.Deve ser observado, entretanto, que não existe ainda a produção de grafeno em escala comercial no país, embora as instituições mencionadas acima o produzam para os seus objetivos específicos.

Infelizmente o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação – MCTIC tem destinado poucos recursos para projetos envolvendo grafeno aos Institutos de Ciência, Tecnologia e Inovação. Além disso, o projeto do Centro Nacional de Grafeno – Cenagraph, mencionado acima, encontra-se no Ministério sem informação alguma sobre a sua atual situação.

Nesse contexto, excetua-se a Finep, que tem apoiado projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação envolvendo grafeno e de ter acabado de lançar o Programa "Grafeno no Rota 2030: soluções para a Indústria Automotiva", no qual foram discutidas tendências e oportunidades da cadeia automotiva, além do oferecimento de recursos para a realização de projetos na área. Trata-se do primeiro programa federal envolvendo grafeno.

Nelson de Jesus Parada é PhD em Engenharia Elétrica do MIT,  engenheiro e mestre em Engenharia Eletrônica do ITA e Coordenador do Projeto de Centro Nacional de Grafeno do Governo federal.


Carreira
MP 936: Sindicatos dos trabalhadores e patronal advertem sobre risco de conflito judicial

Os acordos individuais para suspensão do contrato de trabalho ou redução de jornada de trabalho previstos na MP 936 poderão causar mais dor de cabeça para as empresas do que solução para o enfrentamento do período de isolamento provocado pelo coronavirus.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G