Home - Convergência Digital

Nova onda de fake news contra 5G faz britânicos queimarem antenas

Convergência Digital - 06/04/2020

Com 5 mil mortes pela Covid-19, o Reino Unido sofre ao longo dos últimos dias um novo problema: a disseminação de notícias enganosas que associam 5G com coronavírus resultou em várias torres sendo queimadas, como mostram vídeos postados em diferentes redes sociais, como Facebook, YouTube e Instagram. 

O governo britânico já se manifestou em apelo para que a “bobagem perigosa” seja encerrada e as quatro principais operadoras móveis do país lançaram um comunicado conjunto igualmente pedindo o fim dos ataques, que também ameaçam funcionários que tentaram fazer reparos nas estações radio base. 

“Não apenas são alegações sem base, são também prejudiciais às pessoas e aos negócios que dependem da continuidade dos serviços”, diz a nota assinada pela EE, o2, Three, e Vodafone. “Também levaram a abusos contra nossos engenheiros e, em alguns casos, evitaram manutenções essenciais na rede acontecerem.”

Os ataques às antenas se deram especialmente em Birmingham, Liverpool e Merseyside. A Vodafone confirmou quatro torres queimadas. A EE confirmou pelo menos uma, que sequer era de 5G, mas novos vídeos de torres incendiadas foram postadas nas redes sociais no domingo, 5/4. 

Tudo indica que a teoria da conspiração que alimenta os ataques sustenta que antenas de 5G facilitam a propagação do coronavírus, em boatos que começaram ainda em janeiro apontando que a África não tinha problemas com a Covid-19 porque não tem 5G instalado – o continente registra, até aqui, 7,7 mil casos e mais de 300 mortes. 

Segundo os noticiários britânicos, as ‘fake news’ à respeito aparecem em duas vertentes, de um lado apontando que o 5G ataca o sistema imunológico, deixando as pessoas mais suscetíveis à contaminação pelo vírus. De outro, alegam que o coronavírus é capaz de ser transmitido pelo próprio uso da tecnologia 5G. “São o pior tipo de fake news”, segundo autoridades de saúde do Reino Unido. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

08/07/2020
5G da Claro será na faixa de 2,6 GHz

08/07/2020
Faria: 5G depende de posição do presidente Jair Bolsonaro

07/07/2020
Nokia usa RAN aberto para provocar Ericsson no 5G

06/07/2020
IA Carol, da TOTVS, liderou força-tarefa por soluções no combate à Covid-19

02/07/2020
Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

01/07/2020
Covid-19: ativado o primeiro repositório de dados abertos do Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

30/06/2020
Tecnologia foi um dos setores que mais demandou contratação de temporários

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site