INOVAÇÃO

Política de informática foi feita para o hardware, mas deu certo com o software

Ana Paula Lobo e Luís Osvaldo Grossmann ... 08/06/2020 ... Convergência Digital

Ter estratégias, planos, políticas, faz diferença. Segundo o cientista e professor Sílvio Meira, o país tem uma estratégia de inteligência artificial, mas não sabe bem para quê. Falta o desafio colocado à produção nacional. “Foi isso que montou a indústria brasileira de informática, um desafio, com estratégias e políticas”, apontou ao participar do CD Em Pauta. 

“Uma estratégia é uma coisa muito complexa, profunda e que precisa de mais recursos, que nem são necessariamente do governo. Mas o papel do Estado é fundamental em estabelecer qual é o desafio e articular a expressão nacional desse desafio. Para aí os atores privados dizerem ok, se a gente for por aqui o Estado pelo menos não vai atrapalhar e talvez até ajude.”

Foi o que aconteceu, acredita, com a política de informática no Brasil. Embora com ideal na substituição de importações, acabou disseminando cultura e conhecimento que fomentaram a produção brasileira de software. “Do ponto de vista de efeitos colaterais na capacidade brasileira de fazer pesquisa em tecnologia da informação e criar startups, a política de informática deu certo.”

“O efeito não foi o pretendido. A gente nunca teve um computador ou smartphone brasileiro competitivo globalmente. Mas a gente tem software, empresas de software, empresas digitais brasileiras que são competitivas globalmente e que fazem um megamercado no Brasil. Descobrimos no meio do caminho que a escadaria de produzir chips, computadores, sistemas de átomos era centenas de bilhões de dólares mais altas que o Brasil poderia juntar. Mas tinha outra escadaria que a gente poderia subir, de software, de sistemas digitais, de ‘no softwares’, software como serviço, plataformas”, pontua Silvio Meira. Assistam a exposição dele sobre estratégia para TIC.



BC: Pagamento pelo WhatsApp terá de provar proteção aos dados

"Um arranjo que começa com 120 milhões de clientes não é pequeno", explicou Roberto Campos Neto.

Empresas nacionais reclamam da burocracia e deixam de investir em Inovação

Em pesquisa do Instituto Eldorado, empresas alegam que os instrumentos de fomento são burocráticos ou desconhecidos. Mais da metade das companhias ouvidas assumem que estão investindo menos em novas tecnologias.

Indústria de semicondutores reage à liquidação da Ceitec

Em nota, associação nacional do setor indica “preocupação” com a medida. “Liquidação distanciará ainda mais o Brasil do conhecimento de ponta.”

OBr.Global promove bootcamps Live sobre empreendedorismo

Aceleradora, especializada em internacionalização das empresas, ensinará técnicas adotadas no Vale do Silício, nos EUA.

Política de informática foi feita para o hardware, mas deu certo com o software

Para Sílvio Meira, a estratégia que o Brasil quer desenhar para Inteligência Artificial precisa desafiar à produção nacional para trazer os resultados pretendidos.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G