Clicky

Convergência Digital - Home

A10Networks adota o modelo do hardware como serviço

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 30/08/2017

A A10 Networks trouxe para o Brasil o modelo do 'pagou, usou' para a aquisição de suas soluções de hardware e software para infraestrutura de rede, revela a diretora de canais para a América Latina, Bruna Wells. A executiva revela que também foi fechada parcerias com as provedoras de cloud - Amazon e Microsoft Azzure - para consolidar a iniciativa.

"Só vendemos por meio de canal. O cliente quer essa facilidade. Temos os data centers e os provedores Internet, este ano, em função da migração para o IPv.6, como grandes verticais no país", pontua Bruna Wells. A executiva admite que a comercialização é nova e que foram necessárias adaptações da própria fabricante. "Estamos em treinamento do nosso canal. Mas esse é o modelo da transformação digital", acrescenta.

2017 não está sendo um ano fácil, mas para a A10 Networks os provedores Internet têm sido responsáveis por boa parte dos negócios, e hoje, já representam quase 30% da receita da companhia. "As operadoras ainda são o grande mercado", reforça Bruna Wells. Com um índice de migração do IPv.4 - já esgotado na América Latina - para o IPv.6 entre 18%, segundo dados do NIC.br, ou 20%, de acordo com o Google, a Unifique, operadora catarinense de telecomunicações e Provedora de Serviços de Internet (ISP) com atendimento em mais de 100 cidades, adotou a plataforma Thunder CGN 3030 da fabricante A10 Networks com objetivo de ganhar escalabilidade e adaptar sua infraestrutura para o novo protocolo da Internet.

Sediada em Timbó (SC), a Unifique possui, hoje, uma rede com mais de cinco mil quilômetros de fibra óptica, três data center próprios, mais de 600 funcionários diretos e atendimento físico em 21 unidades. "Tivemos que agir rápido para não parar a expansão da Unifique e precisávamos acabar com nossos problemas de esgotamento de IPs", revela Jorge Scoz Junior, gerente de Redes da Unifique.

A solução escolhida é a série A10 Thunder CGN da A10 Networks para o cenário enfrentado pela Unifique e outros provedores de serviços de internet. Com a capacidade de estender a conectividade por meio de Carrier Grade Network Address Translation (CGNAT) ou Large Scale NAT, é possível criar uma nova camada de “tradução” de endereço em grande escala e a partir de um IPv4 público, atribuir endereços privados aos clientes da Unifique.

Além disso, o equipamento ajuda ISP’s na transição gradual e simultânea para o IPv6. A A10 Network já está preparada para este cenário desde 2010, trazendo ao Brasil a experiência similar ocorrida em 2011 na Ásia, quando se esgotaram os protocolos IPv4.

Os Thunder CGN 3030 instalados atendem picos de mais de 60 mil usuários, que geram tráfego superior a 30GB por segundo. “A solução da A10 Networks funciona sem paradas há cerca de um ano. Não temos problemas e ficamos seguros de oferecer aos nossos usuários a melhor tecnologia de CGN do mercado”, complementa Scoz, que ainda planeja expandir suas aquisições em tecnologia com o sistema de proteção de DDoS da A10 Networks.


Destaques
Destaques

TIM elege a nuvem e mira não ter mais datacenter em 2023

Ao assumir estar no meio de uma jornada para ser uma operadora 100% baseada em dados, a CIO da TIM Brasil, Auana Mattar, conta como é trabalhar com três provedores: Google, Microsoft e Oracle. Ao participar do SAS Telco Summit 2021, a executiva observou: é importante estudar as aplicações e como elas se comunicam antes de migrá-las para computação em nuvem.

Inteligência Artificial: Com estratégia certa, impacto de quatro pontos no PIB do Brasil até 2030

A inteligência artificial exige que se forme e qualifique profissionais no país, advertem especialistas. Para eles, a IA evoluiu e já passou da etapa de experimentação pra uso industrial. Para Fábio Cozman, da USP, a IA leva o país para a Sociedade 5.0, quando máquinas e seres humanos vão interagir de forma harmoniosa.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como ter nuvem sem reescrever sistemas e adequada à LGPD

Por Marco Wenna*

Como auditar e reescrever linhas de código em tempo hábil para essas migrações para a nuvem a um custo factível para que todas as linhas de código estejam em conformidade com a Lei Geral de Proteção a Dado? Esse é um desafio presente.

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site