Clicky

Convergência Digital - Home

Com exército de robôs, empresa nacional de cloud abre escritório nos EUA

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 12/03/2018

Criada em 2013, em Brasília, a Configr criou um exército de robôs, com tecnologia própria, para ofertar serviço de hospedagem em cloud server. "Somos bem mais do que um broker simples", observou um dos fundadores da empresa, Arthur Furlan, em entrevista ao Convergência Digital.

Em quatro anos, houve muitos avanços. São mais de 1500 clientes e, hoje, a Configr atende 27 startups do ecossistema do Distrito Federal. Os usuários da plataforma estão distribuídos em 17 estados. "Nosso diferencial é cobrar em reais e ter um preço flat. Os clientes sabem quanto vão pagar ao final do mês. E nossos robôs automatizam todo o processo de criação, configuração, otimização, gerenciamento e proteção do servidor em nuvem", acrescenta Furlan.

Mesmo tendo como sede Brasília, a Configr não se aventura no mercado governamental. "O governo não sabe comprar cloud ainda. Negociamos parcerias para atuar nesse segmento", diz Furlan. Os olhos do empreendedor brilham ao falar da iniciativa da companhia, deflagrada no ano passado, de abrir um escritório nos Estados Unidos.

"Optamos pelos EUA porque lá há uma forte demanda e os usuários sabem como contratar nuvem. Toda a nossa plataforma foi criada em inglês o que facilita muito o nosso trabalho. Nossa expectativa é criar uma carteira de clientes sólida", diz Furlan.

A Configr participou do primeiro Startup Brasil e Furlan é taxativo: 'foi uma oportunidade única. Foi fundamental para crescermos", diz. Mas houve a opção de não ir ao mercado para pedir investimentos. "Decidimos crescer com o nosso próprio investimento", explicou.

Indagado se o exército de robôs não 'rouba' a vez dos administradores de TI, Furlan assegura que não. "O homem sempre terá o papel de decidir. Os robôs fazem um trabalho braçal. Eles evitam o erro das funções repetitivas", preconiza. A crise, salienta ainda Furlan, sem querer ser clichê, é uma oportunidade. "Acreditamos que vamos manter um crescimento de três dígitos no Brasil. Ainda há muita empresa para aderir aos serviços na nuvem".



Destaques
Destaques

TIM elege a nuvem e mira não ter mais datacenter em 2023

Ao assumir estar no meio de uma jornada para ser uma operadora 100% baseada em dados, a CIO da TIM Brasil, Auana Mattar, conta como é trabalhar com três provedores: Google, Microsoft e Oracle. Ao participar do SAS Telco Summit 2021, a executiva observou: é importante estudar as aplicações e como elas se comunicam antes de migrá-las para computação em nuvem.

Inteligência Artificial: Com estratégia certa, impacto de quatro pontos no PIB do Brasil até 2030

A inteligência artificial exige que se forme e qualifique profissionais no país, advertem especialistas. Para eles, a IA evoluiu e já passou da etapa de experimentação pra uso industrial. Para Fábio Cozman, da USP, a IA leva o país para a Sociedade 5.0, quando máquinas e seres humanos vão interagir de forma harmoniosa.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como ter nuvem sem reescrever sistemas e adequada à LGPD

Por Marco Wenna*

Como auditar e reescrever linhas de código em tempo hábil para essas migrações para a nuvem a um custo factível para que todas as linhas de código estejam em conformidade com a Lei Geral de Proteção a Dado? Esse é um desafio presente.

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site