Clicky

Convergência Digital - Home

Multicloud está longe de ser simples e exige responsabilidade com a divisão dos dados

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 13/04/2021

A nuvem não é o mundo perfeito e ela exige planejamento e muita responsabilidade das corporações, que começam a entender essa complexidade na dor, uma vez que a aceleração digital aconteceu pela pandemia de Covid-19, afirma Leonel Oliveira, diretor geral da Nutanix Brasil.

A Nutanix realizou uma pesquisa global, com dados do Brasil, onde ficou constatado que aqui, metade dos entrevistados (50%) afirmou que realizou novos investimentos em nuvem híbrida especificamente como resultado da pandemia e pouco menos da metade (41%) relatou aumentos em nuvem privada e nuvem pública (38%). Apenas 5% relataram não ter feito novos investimentos em infraestrutura por causa do COVID-19.

Os entrevistados no Brasil relataram um progresso acima da média com a implantação de HCI (sigla em inglês para Infraestrutura Hiperconvergente), uma etapa capacitadora na jornada para uma configuração de nuvem híbrida. Mais da metade (54%) dos entrevistados do Brasil disseram que já implementaram ou estão em processo de implementação de HCI, em comparação com 50% dos entrevistados globalmente e 48% na região das Américas.

"O grande problema é que muita companhia fez virtualização e acha que fez multicloud. E são coisas distintas. Multicloud não é tão simples de implementar. Exige um planejamento estratégico e muita responsabilidade por parte das empresas. Não é apenas dividir os dados com provedores. Mas é necessário gerenciar e valorizar os dados para saber se eles estão blindados. Mais que tudo é preciso saber quais dados têm de ser protegidos e quais dados podem ser perdidos. Nem tudo exige blindagem", pontua Leonel Oliveira, em entrevista ao Convergência Digital.
 
O levantamento da Nutanix comprova que, embora o entusiasmo com a nuvem híbrida tenha sido forte e consistente nos últimos três anos, as implementações reais têm sido mais lentas em todos os países até o momento. Entre os motivos estão tendências como a disponibilidade limitada de ferramentas e conjuntos de recursos entre plataformas de nuvem.

Um terço dos entrevistados do Brasil (33%), por exemplo, relatou ter pouco conhecimento de TI necessário para gerenciar ambientes de nuvem híbrida; 33% também disseram que não tinham habilidades em tecnologias nativas da nuvem e de contêineres. Além disso, algumas empresas ainda possuem arquiteturas de datacenter tradicionais que precisam ser substituídas e aplicações legadas críticas para o negócio e que são difíceis de transportar para novos ambientes. Ainda, para algumas, as leis de privacidade proíbem o armazenamento de informações de privacidade do cliente em locais que a empresa não controla.

"A nuvem não é um mundo perfeito e as empresas precisam estar cientes disso. Não existe mundo perfeito na tecnologia. Mitigar os riscos se faz sempre obrigatório. Transferência de dados para um local terceiro não é garantia de proteção absoluta. Muita empresa pensa que ao fazer virtualização, fez multicloud e não fez", sustenta Oliveira. Mas o executivo também reforça o fato de a aceleração digital determinou uma revisão dos planejamentos estratégicos e acelerou os investimentos na computação em nuvem, não apenas como redução de custos, mas como meio para viabilizar a rotina operacional. "Modelos de negócios que não seriam implementados tão cedo, o foram por conta da Covid-19. A pandemia é digital, mas temos de nos preparar mais para a transformação digital", completa o executivo.





Destaques
Destaques

TIM elege a nuvem e mira não ter mais datacenter em 2023

Ao assumir estar no meio de uma jornada para ser uma operadora 100% baseada em dados, a CIO da TIM Brasil, Auana Mattar, conta como é trabalhar com três provedores: Google, Microsoft e Oracle. Ao participar do SAS Telco Summit 2021, a executiva observou: é importante estudar as aplicações e como elas se comunicam antes de migrá-las para computação em nuvem.

Inteligência Artificial: Com estratégia certa, impacto de quatro pontos no PIB do Brasil até 2030

A inteligência artificial exige que se forme e qualifique profissionais no país, advertem especialistas. Para eles, a IA evoluiu e já passou da etapa de experimentação pra uso industrial. Para Fábio Cozman, da USP, a IA leva o país para a Sociedade 5.0, quando máquinas e seres humanos vão interagir de forma harmoniosa.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como ter nuvem sem reescrever sistemas e adequada à LGPD

Por Marco Wenna*

Como auditar e reescrever linhas de código em tempo hábil para essas migrações para a nuvem a um custo factível para que todas as linhas de código estejam em conformidade com a Lei Geral de Proteção a Dado? Esse é um desafio presente.

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site