Clicky

Convergência Digital - Home

Nutanix: hiperconvergência simplifica o modelo de serviço na nuvem

Convergência Digital
Por Roberta Prescott - 18/09/2019

A computação em nuvem revolucionou a infraestrutura de tecnologia e a adoção da hiperconvergência foi a base para começar a nuvem privada, explicou Leonel Oliveira, diretor-geral da Nutanix no Brasil, em entrevista ao Convergência Digital durante o Next On Tour, evento da Nutanix que ocorreu, esta semana, em São Paulo. "A hiperconvergência veio trazer a mesma base estrutural que a nuvem pública apresentou em caráter inicial para conseguir dar facilidade de usabilidade e a mesma característica da infraestrutura movida como serviço, fracionada, com somente aquilo que deseja e simplificação", explicou.

Ao comentar o estágio atual de adoção de múltiplas nuvens no Brasil, Oliveira disse que as empresas estão estudando o tema."Em um primeiro momento, a nuvem pública representou uma facilidade tão grande para todos que houve uma corrida para nuvem, sem, na verdade, entender quais eram os workloads apropriados para isto. Depois houve um amadurecimento e agora estamos em uma fase onde as empresas estão entendendo o posicionamento da nuvem pública, privada, híbrida e quais são as vantagens de ter a possibilidade de migração de uma nuvem para outra," detalhou. Para ele, o mercado caminha para ter mais liberdade de escolha, com os serviços disponíveis onde quer que estejam.

Fundada em 2009, a Nutanix completa uma década de operação — no Brasil, a empresa especializada em desenvolvimento de software para hiperconvergência atua desde 2015. Ao longo deste período, a empresa passou a focar somente em software, destacando-se no mercado de fornecimento de soluções de hiperconvergência. Hoje, 71% da receita da companhia vem do modelo de subscrição, que substituiu o licenciamento. Vejam a entrevista com Leonel Oliveira, diretor-geral da Nutanix no Brasil.


Destaques
Destaques

TIM elege a nuvem e mira não ter mais datacenter em 2023

Ao assumir estar no meio de uma jornada para ser uma operadora 100% baseada em dados, a CIO da TIM Brasil, Auana Mattar, conta como é trabalhar com três provedores: Google, Microsoft e Oracle. Ao participar do SAS Telco Summit 2021, a executiva observou: é importante estudar as aplicações e como elas se comunicam antes de migrá-las para computação em nuvem.

Inteligência Artificial: Com estratégia certa, impacto de quatro pontos no PIB do Brasil até 2030

A inteligência artificial exige que se forme e qualifique profissionais no país, advertem especialistas. Para eles, a IA evoluiu e já passou da etapa de experimentação pra uso industrial. Para Fábio Cozman, da USP, a IA leva o país para a Sociedade 5.0, quando máquinas e seres humanos vão interagir de forma harmoniosa.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como ter nuvem sem reescrever sistemas e adequada à LGPD

Por Marco Wenna*

Como auditar e reescrever linhas de código em tempo hábil para essas migrações para a nuvem a um custo factível para que todas as linhas de código estejam em conformidade com a Lei Geral de Proteção a Dado? Esse é um desafio presente.

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site